Mercado abrirá em 2 h 6 min
  • BOVESPA

    111.539,80
    +1.204,97 (+1,09%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.682,19
    +897,61 (+2,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    60,77
    +1,02 (+1,71%)
     
  • OURO

    1.722,30
    -11,30 (-0,65%)
     
  • BTC-USD

    51.570,39
    +2.381,09 (+4,84%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.030,39
    +42,29 (+4,28%)
     
  • S&P500

    3.870,29
    -31,53 (-0,81%)
     
  • DOW JONES

    31.391,52
    -143,99 (-0,46%)
     
  • FTSE

    6.681,78
    +68,03 (+1,03%)
     
  • HANG SENG

    29.880,42
    +784,56 (+2,70%)
     
  • NIKKEI

    29.559,10
    +150,93 (+0,51%)
     
  • NASDAQ

    13.128,25
    +73,00 (+0,56%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,8704
    +0,0083 (+0,12%)
     

Vacinas da COVID-19 reduzem hospitalização e transmissão, apontam estudos

Fidel Forato
·3 minuto de leitura

Recém-publicados, dois estudos diferentes relataram os efeitos positivos da vacinação contra a COVID-19 na população em geral, o que é uma notícia animadora na luta contra a pandemia do novo coronavírus (SARS-CoV-2). Afinal, o mundo já diagnosticou mais de 111,8 milhões de casos da doença, sendo mais de 2,4 milhões de óbitos, segundo dados da plataforma Johns Hopkins.

De acordo com as novas pesquisas, o número de hospitalizações em decorrência da infecção e as taxas de transmissão do coronavírus foram reduzidas onde é adotada uma ampla imunização contra a COVID-19. Em fase de revisão por pares, um dos preprints foi desenvolvido por pesquisadores do Reino Unido e o segundo, por cientistas israelenses.

Novas pesquisas apontam que a vacinação contra a COVID-19 pode acabar com a pandemia (Imagem: Reprodução/ Jubjang/ Rawpixel)
Novas pesquisas apontam que a vacinação contra a COVID-19 pode acabar com a pandemia (Imagem: Reprodução/ Jubjang/ Rawpixel)

Pesquisa sobre a vacina da Pfizer/BioNTech

O primeiro estudo sobre a eficácia das vacinas no combate à COVID-19 foi desenvolvido pelo Ministério da Saúde de Israel, a partir dos dados de imunização local com a vacina da Pfizer/BioNTech. De acordo com a análise preliminar, o imunizante foi 89% eficaz na prevenção de todas as infecções do coronavírus — tanto de casos sintomáticas quanto assintomáticos. Para casos sintomáticos, a taxa de eficácia foi calculada em 94%.

Para chegar a essa conclusão, o estudo acompanhou 1,2 milhão de pessoas — 600 mil haviam recebido as duas doses do imunizante, enquanto o restante não. Dessa forma, dados de contaminação e incidência de formas leves, moderadas e graves da doença foram comparados entre estes dois grupos. Ao que tudo indica, as estatistificas que esperavam a queda das hospitalizações e de novos casos estão se confirmando no país.

Vacina de Oxford e da Pfizer

O outro estudo foi desenvolvido pela Universidade de Edimburgo, no Reino Unido, focando na vacina Covishield, desenvolvida pela Universidade de Oxford e pela farmacêutica AstraZeneca, e na da Pfizer/BioNTech. Para chegar as conclusões de que o imunizante reduz as complicações da doença foram utilizados dados coletados pela Public Health Scotland sobre a taxa de admissão em hospitais em decorrências da COVID-19.

Vacinação contra a COVID-19 pode reduzir casos da infecção e a transmissão do vírus (Imagem: Reprodução/ Steven Cornfield/ Unsplash)
Vacinação contra a COVID-19 pode reduzir casos da infecção e a transmissão do vírus (Imagem: Reprodução/ Steven Cornfield/ Unsplash)

Entre os dias 8 de dezembro de 2020 e 15 de fevereiro de 2021, mais de 21% da população escocesa recebeu pelo menos a primeira dose da vacina Covishield ou da Pfizer/BioNTech contra a COVID-19. Em números, isso significa que mais de 1,14 milhão de imunizantes foram administrados para a população do país. A partir da quarta semana após a primeira dose, o risco de hospitalização diminuiu consideravelmente.

Para aqueles que receberam a Covishield, a redução de internação foi de 94%, enquanto a redução, depois da primeira dose da Pfizer/BioNTech, foi de 85%. Para o grupo com mais de 80 anos, a redução média de risco em ambas as vacinas foi de 81%. No entanto, vale destacar que a maioria das doses distribuídas no país é da Covishield.

Impactos na saúde pública

"Esses dados mostram uma promessa real de que as vacinas podem proteger contra os efeitos graves da COVID-19. Não devemos ser complacentes. Todos nós ainda precisamos garantir a interrupção da transmissão do vírus, e a melhor maneira de fazer isso é seguindo as orientações de saúde pública — lave as mãos com frequência, mantenha dois metros de distância de outras pessoas e, se desenvolver sintomas, isole e faça um teste”, lembrou a Dra. Josie Murray, consultora de saúde pública e pesquisadora do Reino Unido, em um comunicado.

"Esses resultados são muito encorajadores e nos deram grandes razões para estarmos otimistas com o futuro. Agora temos evidências nacionais — em um país inteiro — de que a vacinação oferece proteção contra a hospitalizações pela COVID-19", afirmou o professor Aziz Sheikh, da Universidade de Edimburgo.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: