Mercado fechado
  • BOVESPA

    119.371,48
    -690,52 (-0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.092,31
    +224,69 (+0,46%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,79
    +0,36 (+0,59%)
     
  • OURO

    1.784,10
    +2,10 (+0,12%)
     
  • BTC-USD

    51.901,91
    -3.276,16 (-5,94%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.194,54
    -48,51 (-3,90%)
     
  • S&P500

    4.134,98
    -38,44 (-0,92%)
     
  • DOW JONES

    33.815,90
    -321,41 (-0,94%)
     
  • FTSE

    6.938,24
    +42,95 (+0,62%)
     
  • HANG SENG

    28.755,34
    +133,42 (+0,47%)
     
  • NIKKEI

    29.188,17
    +679,62 (+2,38%)
     
  • NASDAQ

    13.751,50
    +1,25 (+0,01%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5422
    -0,1598 (-2,38%)
     

Vacinas de Cuba entrarão na fase 3 de testes em março

·1 minuto de leitura
Técnicos trabalham na produção do antígeno da vacina Abdala, no Centro de Engenharia Genética e Biotecnologia de Havana

Soberana 2 e Abdala, os dois projetos de vacina mais avançados de Cuba contra a Covid-19, entrarão em março na fase 3 de testes clínicos, após demonstrarem "segurança e uma respota imunológica potente", anunciou nesta quinta-feira um dos cientistas responsáveis.

Esses dois imunizantes, dos quatro em desenvolvimento em Cuba, "mostraram ser vacinas seguras e garantem a indução de uma resposta imunológica potente contra a doença", afirmou o presidente do grupo estatal BioCubaFarma, Eduardo Martínez.

Autoridades científicas da ilha informaram que o país tem capacidade de fabricar em 2021 cerca de 100 milhões de doses da Soberana 2, e que a campanha de vacinação terá início no primeiro semestre. Segundo os diretores, Cuba já iniciou a produção em escala industrial de ambos os imunizantes.

O Soberana 2 é um dos dois projetos do Instituto Finlay de Vacinas (IFV). O outro, Soberana 1, concluiu a primeira fase de estudos com bons resultados, e um segundo "teste clínico com convalescentes apresentou resultados muito bons, o que é bastante atraente para o primeiro mundo", declarou seu diretor, Vicente Vérez.

Em Washington, o vice-diretor da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), Jarbas Barbosa, celebrou ontem os esforços de Cuba e Brasil para produzir suas próprias vacinas, mas estimou que a conclusão da fase 3 da Soberana 2 levará alguns meses. Todas as vacinas cubanas usam a mesma técnica da empresa de biotecnologia americana Novavax.

Com 11,2 milhões de habitantes, Cuba mantém um índice baixo de mortos desde o começo da pandemia (312) e acumula 47.566 casos da doença.

rd/lp/ltl/lb