Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.669,90
    -643,33 (-0,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.627,67
    -560,48 (-1,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    59,34
    -0,26 (-0,44%)
     
  • OURO

    1.744,10
    -14,10 (-0,80%)
     
  • BTC-USD

    60.465,01
    +1.671,80 (+2,84%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.235,89
    +8,34 (+0,68%)
     
  • S&P500

    4.128,80
    +31,63 (+0,77%)
     
  • DOW JONES

    33.800,60
    +297,03 (+0,89%)
     
  • FTSE

    6.915,75
    -26,47 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    28.698,80
    -309,27 (-1,07%)
     
  • NIKKEI

    29.768,06
    +59,08 (+0,20%)
     
  • NASDAQ

    13.811,00
    +63,25 (+0,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7625
    +0,1276 (+1,92%)
     

Vacinas contra a Covid e oxigênio medicinal só poderão ser exportados com autorização da Anvisa

RAQUEL LOPES
·1 minuto de leitura

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - A Anvisa (Agência de Vigilância Sanitária) colocou o oxigênio medicinal e vacinas contra a Covid-19 entre os produtos que precisam de sua autorização para serem exportados no país. A decisão, tomada em reunião da diretoria colegiada nesta quarta-feira (3), inclui a exportação de matéria-prima, produto semi-elaborado ou que já esteja pronto. A medida adotada é temporária e envolve as ações de proteção da saúde pública estabelecidas pela agência no enfretamento da pandemia do novo coronavírus. Segundo o diretor da Anvisa Rômison Rodrigues Mota, a decisão foi tomada por conta da dificuldade de se obter vacinas no mundo. "A medida ocorre por dois motivos: o desabastecimento de oxigênio em diferentes partes do país, como divulgado em Manaus, e a corrida mundial pela vacinação, tendo em vista que a capacidade fabril das indústrias encontra-se abaixo do necessário para garantir o fornecimento para toda a população." A decisão pode atrapalhar o planejamento de laboratórios que pretendem exportar vacina no Brasil, como o Instituto Butantan e a União Química. Países do Cone Sul têm avançado em negociações para adquirir a vacina Coronavac por meio do Butantan. Outros o fazem por via direta com o laboratório chinês Sinovac, como o Chile, que recebeu os primeiros 2 milhões de doses na última quinta-feira (28).