Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.264,96
    +859,61 (+0,67%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.315,69
    -3,88 (-0,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,40
    -0,26 (-0,35%)
     
  • OURO

    1.783,80
    +0,90 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    31.833,84
    -3.676,81 (-10,35%)
     
  • CMC Crypto 200

    762,93
    -87,41 (-10,28%)
     
  • S&P500

    4.224,79
    +58,34 (+1,40%)
     
  • DOW JONES

    33.876,97
    +586,89 (+1,76%)
     
  • FTSE

    7.062,29
    +44,82 (+0,64%)
     
  • HANG SENG

    28.489,00
    -312,27 (-1,08%)
     
  • NIKKEI

    28.010,93
    -953,15 (-3,29%)
     
  • NASDAQ

    14.137,75
    +7,75 (+0,05%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,9826
    -0,0535 (-0,89%)
     

Vacinas contra COVID-19 não causam perda auditiva, aponta estudo

·3 minuto de leitura

Quando uma vacina é aprovada e aplicada em milhões de pessoas, novos efeitos adversos podem, eventualmente, aparecer. Por isso, é tão importante que a imunização contra o coronavírus SARS-CoV-2 seja acompanhada, de perto, pelas agências reguladoras — como já aconteceu com os casos de trombose. Agora, pesquisadores investigam a relação dos imunizantes contra a COVID-19 com a perda de audição súbita. Ambas situações apontaram para a segurança das fórmulas.

Após 147 eventos de perda auditiva serem relatados nos Estados Unidos entre dezembro de 2020 e março deste ano, médicos da Universidade Johns Hopkins investigaram cada um dos relatos. Em comum, os pacientes relataram a condição que tende a ser temporária após a aplicação de uma dose da vacina da Pfizer/BioNTech ou da Moderna. No mesmo intervalo de tempo, o país aplicou mais de 86,5 milhões de doses de imunizantes.

Pesquisa não encontra relação entre vacina contra a COVID-19 e perda temporária de audição (Imagem: Reprodução/Ali Raza/Pixabay)
Pesquisa não encontra relação entre vacina contra a COVID-19 e perda temporária de audição (Imagem: Reprodução/Ali Raza/Pixabay)

Em uma avaliação mais atenta dos relatórios sobre o efeito adverso, os pesquisadores determinaram que apenas 40 desses casos eram confiáveis. Isso significa que foram confirmados por um médico e havia alguma documentação comprovando a surdez súbita. Desse número, 25 eram mulheres e 15 eram homens, variando entre 25 e 88 anos.

Ainda sobre esses dados, 28 dos que relataram a suposta reação adversa receberam a vacina da Pfizer/BioNTech e apenas 12 a da Moderna. Vale destacar que nenhum dos casos foi associado com a fórmula da Janssen, da Johnson & Johnson. Isso porque ela fora autorizada poucos dias antes do término da janela considerada pelo estudo.

O que é perda auditiva súbita?

Oficialmente, a condição é conhecida como perda auditiva neurossensorial súbita (PANS). Ela é definida como uma perda repentina da capacidade de escutar, sem uma explicação e que ocorre em um período de 72h. Normalmente, afeta apenas um ouvido e a audição tende a voltar sozinha.

Nos EUA, a taxa anual de novos casos da condição para cada 100 mil pessoas oscila de 20 até 120. Além disso, a PANS pode ser desencadeada por uma série de fatores, como casos de traumatismo craniano, infecções, alguns medicamentos, doenças autoimunes ou problemas de circulação. Na maioria dos casos, o paciente não identifica a causa real da perda temporária de audição.

Afinal, as vacinas contra a COVID-19 podem desencadear algum tipo de surdez?

No estudo, o grupo de pesquisadores concluiu que as vacinas contra a COVID-19 não foram responsáveis pela perda de audição. No relatório publicado na revista científica JAMA Otolaryngology-Head and Neck Surgery, os médicos esclarecem que os casos foram apenas coincidência.

Os dados encontrados "sugerem que não existe associação entre a aplicação de uma vacina de RNA mensageiro [mRNA] contra a SARS-CoV-2 e a perda auditiva súbita", afirmam na publicação. “Esperamos que essas descobertas tranquilizem os médicos e pacientes para receber todas as doses programadas da vacinação, conforme recomendado pelas diretrizes atuais de saúde pública”, completam os médicos responsáveis.

Em 2016, a condição foi associada erroneamente com as vacinas contra a influenza (gripe) no país. No entanto, um outro estudo norte-americano também não conseguiu detectar uma ligação entre a doença e as vacinas contra a gripe.

Para conferir o estudo completo, publicado na JAMA Otolaryngology-Head and Neck Surgery, clique aqui.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos