Mercado fechado
  • BOVESPA

    126.003,86
    +951,08 (+0,76%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.897,79
    +629,34 (+1,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,16
    +0,09 (+0,12%)
     
  • OURO

    1.797,60
    -4,20 (-0,23%)
     
  • BTC-USD

    37.711,78
    +3.298,56 (+9,59%)
     
  • CMC Crypto 200

    905,01
    -10,48 (-1,14%)
     
  • S&P500

    4.422,30
    +10,51 (+0,24%)
     
  • DOW JONES

    35.144,31
    +82,76 (+0,24%)
     
  • FTSE

    7.025,43
    -2,15 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    26.192,32
    -1.129,66 (-4,13%)
     
  • NIKKEI

    27.833,29
    +285,29 (+1,04%)
     
  • NASDAQ

    15.117,75
    +19,75 (+0,13%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1167
    -0,0049 (-0,08%)
     

Vacinas contra Covid-19 da Pfizer e da Moderna podem gerar proteção a longo prazo

·2 minuto de leitura
Vacinas contra Covid-19 da Pfizer e da Moderna podem gerar proteção a longo prazo
Vacinas contra Covid-19 da Pfizer e da Moderna podem gerar proteção a longo prazo

As vacinas contra a Covid-19 da Pfizer e da Moderna podem gerar uma proteção por mais tempo do que o estimado inicialmente. Um estudo da Universidade de Washington, publicado na Nature, indica que os dois imunizantes a base de RNA podem gerar imunidade a longo prazo nos vacinados. Isso, no entanto, depende diretamente da evolução das variantes do vírus, que podem mudar o quadro e diminuir a eficiência.

A pesquisa examinou 41 pessoas vacinadas com os imunizantes da Pfizer ou da Moderna e os resultados indicam que, se não houverem mudanças significativas na estrutura do vírus, a proteção pode durar por um longo período de tempo, não sendo necessária uma nova aplicação de reforço dentro de um ano, como foi especulado.

Proteção das vacinas da Pfizer e da Moderna

A pesquisa, no entanto, ressalta que em idosos isso pode ser diferente. Já que a faixa etária mais vulnerável ao vírus da Covid-19 desenvolve menos anticorpos e pode precisar de uma nova dose. Mas os pesquisadores estão confiantes, já que vacinar apenas o grupo que corre mais risco é uma tarefa bem mais simples do que imunizar uma população inteira.

Leia mais:

Para aprender a combater o vírus, as células dependem de uma estrutura que se forma nos nódulos linfáticos. Com isso o corpo passa a identificar o vírus como perigoso e começar a agir contra ele. O estudo identificou que, 15 semanas após a imunização com a vacina da Pfizer ou da Moderna, a proteção ainda segue bem ativa.

Os pesquisadores reforçam que, se novas variantes continuarem surgindo, vai ser mais difícil para essas vacinas se manterem eficazes, então para evitar isso é necessário vacinar a população o mais rápido possível. Não foram inclusos outros imunizantes no estudo.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos