Mercado abrirá em 2 h 48 min
  • BOVESPA

    100.763,60
    +2.091,34 (+2,12%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.294,83
    +553,33 (+1,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    111,21
    +1,64 (+1,50%)
     
  • OURO

    1.826,40
    +1,60 (+0,09%)
     
  • BTC-USD

    21.054,52
    -366,58 (-1,71%)
     
  • CMC Crypto 200

    459,67
    -2,12 (-0,46%)
     
  • S&P500

    3.900,11
    -11,63 (-0,30%)
     
  • DOW JONES

    31.438,26
    -62,42 (-0,20%)
     
  • FTSE

    7.339,74
    +81,42 (+1,12%)
     
  • HANG SENG

    22.418,97
    +189,45 (+0,85%)
     
  • NIKKEI

    27.049,47
    +178,20 (+0,66%)
     
  • NASDAQ

    12.090,75
    +50,25 (+0,42%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5448
    +0,0007 (+0,01%)
     

Vacinas anticovid evitaram quase 20 milhões de mortes em 2021, segundo estudo

As vacinas contra a covid-19 evitaram 19,8 milhões de mortes de 31,4 milhões de vítimas em potencial no primeiro ano após sua introdução em dezembro de 2021, de acordo com um estudo divulgado nesta sexta-feira (24).

O estudo publicado na revista The Lancet Infectious Diseases é baseado em dados de 185 países e territórios coletados de 8 de dezembro de 2020 a 8 de dezembro de 2021.

É o primeiro estudo a tentar avaliar as mortes evitadas direta ou indiretamente após o início da campanha de imunização contra a covid-19.

Suas conclusões indicam que as vacinas evitaram 19,8 milhões de mortes de um total de 31,4 milhões que teriam sido registradas caso não estivessem disponíveis, o que representa uma redução de 63%.

Para isso, o estudo usa os números oficiais de mortes por covid, mas também o excesso de mortalidade registrado em cada país ou uma estimativa quando os dados oficiais não estão disponíveis.

O excesso de mortalidade corresponde à diferença entre o número de pessoas que morreram, independentemente da causa da morte, e o número de óbitos esperados naquele período.

Os dados foram comparados com um cenário hipotético alternativo no qual as vacinas não teriam sido administradas.

O modelo levou em consideração as diferenças na taxa de vacinação entre os países, bem como as diferentes eficácias de cada um deles.

A China não foi incluída no estudo porque, devido à sua grande população e às suas rigorosas medidas sanitárias, teria enviesado os resultados, disseram os responsáveis.

O estudo observa que a maioria das mortes evitadas ocorreu em países de alta e média renda (12,2 milhões de 19,8 milhões), refletindo as desigualdades no acesso à vacinação em todo o mundo.

Quase 600 mil mortes poderiam ter sido evitadas se a meta da Organização Mundial da Saúde de vacinar 40% da população de cada país até o final de 2021 tivesse sido alcançada, acrescentou o estudo.

"Milhões de vidas provavelmente teriam sido salvas tornando as vacinas disponíveis para pessoas em todo o mundo", disse o líder do estudo Oliver Watson, do Imperial College London.

"Poderíamos ter feito mais", acrescentou.

A covid-19 causou oficialmente a morte de 6,3 milhões de pessoas no mundo, segundo a OMS. No entanto, o número real, contando as vítimas diretas e indiretas, pode ser de 15 milhões, reconheceu ele no mês passado.

Essas estatísticas são altamente sensíveis politicamente, pois refletem como as autoridades gerenciaram essa crise de saúde.

ito/jdy/sta/dl/jv/am

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos