Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.672,26
    +591,91 (+0,60%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.741,50
    +1.083,62 (+2,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    107,06
    +2,79 (+2,68%)
     
  • OURO

    1.828,10
    -1,70 (-0,09%)
     
  • BTC-USD

    21.315,07
    +208,24 (+0,99%)
     
  • CMC Crypto 200

    462,12
    +8,22 (+1,81%)
     
  • S&P500

    3.911,74
    +116,01 (+3,06%)
     
  • DOW JONES

    31.500,68
    +823,32 (+2,68%)
     
  • FTSE

    7.208,81
    +188,36 (+2,68%)
     
  • HANG SENG

    21.719,06
    +445,19 (+2,09%)
     
  • NIKKEI

    26.491,97
    +320,72 (+1,23%)
     
  • NASDAQ

    12.132,75
    +395,25 (+3,37%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5524
    +0,0407 (+0,74%)
     

A cada R$ 1 investido em vacina, R$ 9 voltaram ao PIB, diz estudo

Pfizer estimou que investimento em vacina evitou 500 mortes diárias no Brasil (Getty Image)
Pfizer estimou que investimento em vacina evitou 500 mortes diárias no Brasil (Getty Image)
  • Estudo mostra que a imunização trouxe impactos positivos para economia

  • Segundo levantamento, a cada R$ 1 investido, voltaram R$ 9 para o PIB

  • Índices de pobreza e desemprego aumentaram com a crise sanitária

Não foi só a área da saúde que saiu ganhando com a vacinação da população. Um estudo realizado pela Pfizer mostra que a cada R$ 1 gasto com vacinas há um retorno de R$ 9 à economia brasileira. A pesquisa “O impacto socioeconômico das vacinas durante a pandemia de Covid-19“ diz que o investimento gerou um retorno de R$ 200 bilhões ao PIB.

“Os resultados da investigação evidenciam como a vacinação promoveu a retomada das atividades, incluindo a geração de trabalho e renda”, afirma Gesner Oliveira, professor da Fundação Getúlio Vargas (FGV) e sócio da GO Associados, consultoria que conduziu o estudo.

De acordo com a farmacêutica, que foi uma das principais fornecedoras de imunizantes contra a Covid-19 no mundo, com a vacinação em massa foram evitadas 500 mortes diárias no Brasil entre fevereiro e maio de 2021.

Com a pandemia, o país teve a maior queda no Produto Interno Bruto desde 1996 (início da série histórica do IBGE). O IPCA esteve dentro da meta em 2020 (4,52%), mas estourou em 2021, chegando a 10,06%.

O estudo também apontou dados das consequências socioeconômicas geradas pela pandemia, como aumento de desemprego, da violência, do nível de pobreza, a piora na educação.

A doença ainda aumentou a pobreza, sendo que a renda per capita da população 10% mais pobre não superou os R$ 128 por mês, mesmo com auxílio emergencial. O benefício foi fonte de renda em mais de 40% dos domicílios brasileiros.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos