Mercado fechado
  • BOVESPA

    125.052,78
    -1.094,22 (-0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.268,45
    +27,95 (+0,06%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,29
    +0,22 (+0,31%)
     
  • OURO

    1.801,70
    -0,10 (-0,01%)
     
  • BTC-USD

    34.736,27
    +690,68 (+2,03%)
     
  • CMC Crypto 200

    786,33
    -7,40 (-0,93%)
     
  • S&P500

    4.411,79
    +44,31 (+1,01%)
     
  • DOW JONES

    35.061,55
    +238,15 (+0,68%)
     
  • FTSE

    7.027,58
    +59,28 (+0,85%)
     
  • HANG SENG

    27.321,98
    -401,82 (-1,45%)
     
  • NIKKEI

    27.548,00
    +159,80 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.113,00
    +15,00 (+0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1222
    +0,0006 (+0,01%)
     

Vacinados nos EUA não precisam testar para COVID-19; mas e a variante Delta?

·1 minuto de leitura

A orientação atual do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos EUA é que pessoas totalmente vacinadas contra a COVID-19 não precisam fazer testes de rotina. No entanto, com a variante Delta em mente, especialistas vêm questionando a decisão do governo.

“Acho que agora devemos rever esta política com a variante Delta e determinar se as recomendações atuais se mantêm”, opinou o Dr. Peter Hotez, reitor da Escola Nacional de Medicina Tropical do Baylor College of Medicine, em entrevista à CNN.

O CDC está relatando apenas dados de infecções de pessoas já vacinadas que tenham culminado nas forças graves da doença, o que significa que os cientistas não saberão quantas pessoas vacinadas têm infecções leves ou assintomáticas, e será muito difícil rastrear se uma nova variante como a Delta está causando mais falhas na vacina.

(Imagem: tang/rawpixel)
(Imagem: tang/rawpixel)

Um estudo recente, conduzido em Israel, mostrou que a vacina da Pfizer contra a COVID-19 era um pouco menos protetora contra a forma graves da doença do que antes, e ligou esse acontecimento à disseminação da variante Delta do vírus. A vacina forneceu 64% de proteção contra todas as infecções, incluindo infecção assintomática e doença leve, e uma queda de 98% para 93% de eficácia na prevenção de doenças graves e hospitalizações advindas da variante.

No entanto, de acordo com o Dr. Anthony Fauci, diretor do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas dos Estados Unidos, dados mais específicos para avaliar a proteção contra a variante ainda são necessários.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos