Mercado abrirá em 4 h 44 min
  • BOVESPA

    111.539,80
    +1.204,97 (+1,09%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.682,19
    +897,61 (+2,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    59,90
    +0,15 (+0,25%)
     
  • OURO

    1.730,40
    -3,20 (-0,18%)
     
  • BTC-USD

    49.954,21
    +1.407,67 (+2,90%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.003,74
    +15,65 (+1,58%)
     
  • S&P500

    3.870,29
    -31,53 (-0,81%)
     
  • DOW JONES

    31.391,52
    -143,99 (-0,46%)
     
  • FTSE

    6.664,90
    +51,15 (+0,77%)
     
  • HANG SENG

    29.836,09
    +740,23 (+2,54%)
     
  • NIKKEI

    29.559,10
    +150,93 (+0,51%)
     
  • NASDAQ

    13.169,50
    +114,25 (+0,88%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,8704
    +0,0083 (+0,12%)
     

'Vacinação de professores não é pré-requisito para reabrir escolas nos EUA', diz chefe do CDC

Redação Notícias
·1 minuto de leitura
African American teacher and schoolgirl wearing protective face masks while discussing about test results on a class at the school.
Nos Estados Unidos, cada estado está apto a definir sua estratégia de combate à pandemia. (Foto: GettyImages)

A vacinação contra Covid-19 de todos os professores não é um pré-requisito para reabertura das escolas com segurança nos Estados Unidos, disse Rochelle Walensky, diretora do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC).

“Há dados crescentes que sugerem que as escolas podem ser reabertas com segurança e, ainda, que uma reabertura segura não depende da vacinação de todos os professores”, afirmou ela, na quarta-feira (4), durante coletiva de imprensa na Casa Branca.

Nos Estados Unidos, cada estado está apto a definir sua estratégia de combate à pandemia. Em alguns locais, as escolas já estão abertas, enquanto em outros as escolas foram abertas e voltaram a fechar após o crescimento nos casos. Há lugares ainda em que, desde março de 2020, as crianças estão sem aulas.

Leia também:

Assim como no Brasil e em muitos outros países, o sistema de ensino dos Estados Unidos está sob pressão para a retomada das atividades presenciais, com a resistência de sindicatos de professores.

“Nem um estudante de uma escola pública de São Francisco pôs um pé na sua sala de aula nos últimos 347 dias. Mais de 54 mil crianças de São Francisco estão sofrendo”, afirmou Dennis Herrera, advogado da cidade, em uma coletiva de imprensa.

Os professores são considerados “trabalhadores essenciais” nos EUA e, por isso, têm prioridade na vacinação em curso. Contudo, graças atrasos no processo, muitos ainda não receberam as respetivas doses.