Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.380,49
    -948,50 (-0,80%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.683,55
    -126,66 (-0,28%)
     
  • PETROLEO CRU

    51,98
    -1,15 (-2,16%)
     
  • OURO

    1.855,50
    -10,40 (-0,56%)
     
  • BTC-USD

    32.868,93
    +1.074,60 (+3,38%)
     
  • CMC Crypto 200

    651,44
    +41,45 (+6,79%)
     
  • S&P500

    3.841,47
    -11,60 (-0,30%)
     
  • DOW JONES

    30.996,98
    -179,03 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.695,07
    -20,35 (-0,30%)
     
  • HANG SENG

    29.447,85
    -479,91 (-1,60%)
     
  • NIKKEI

    28.631,45
    -125,41 (-0,44%)
     
  • NASDAQ

    13.355,25
    -40,25 (-0,30%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6542
    +0,1458 (+2,24%)
     

Pazuello afirmou que vacinação contra Covid-19 começa na próxima quinta, diz senador

·1 minuto de leitura
Foto: AP Photo/Eraldo Peres
Foto: AP Photo/Eraldo Peres

O senador Nelsinho Trad (PSD-MS) afirmou nesta quinta-feira que foi informado que o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, prevê que a vacinação contra a Covid-19 começará no Brasil na próxima quinta-feira.

"Tem que fazer logo a vacinação para chegar logo a imunidade de rebanho. Ninguém aguenta mais 1,2 mil mortes e 60 mil novos casos por dia", disse o senador à Reuters, esclarecendo que não falou diretamente com o ministro, mas foi informado sobre declaração de Pazuello em reunião com prefeitos.

Leia também

Em publicação no Twitter, o senador havia dito que o ministro lhe informara sobre a data da vacinação na quinta-feira.

"Recomendo, como médico, a imunização contra o Covid-19. Não importa qual, se for aprovada pela Anvisa é de confiança. O ministro Pazuello me adiantou que a vacina começará a ser aplicada na próxima quinta-feira", escreveu Trad em sua conta no Twitter mais cedo.

Na véspera, durante pronunciamento em Manaus, Pazuello disse que a vacinação começará em janeiro, sem dar uma data específica. Ele disse que a imunização pode começar de três a quatro dias depois de uma autorização para uso emergencial dada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

O órgão regulador deve decidir no domingo sobre os pedidos feitos pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), para uso emergencial da vacina Oxford/AstraZeneca, e do Instituto Butantan, para utilização da vacina CoronaVac, do laboratório chinês Sinovac.

Procurado, o o Ministério da Saúde não comentou imediatamente a declaração do senador.

***Por Ricardo Brito, com reportagem adicional de Gabriel Stargadter, da Reuters