Mercado fechado

Vacina universal contra os coronavírus avança em testes com animais

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

A busca por uma vacina universal contra diferentes tipos de coronavírus, além do vírus da covid-19, é um caminho percorrido por diferentes equipes de pesquisas em todo o mundo. Nesta corrida, os cientistas do Instituto Francis Crick, no Reino Unido, parecem ter obtido uma boa vantagem. Isso porque uma potencial fórmula obteve resultados promissores em roedores.

No estudo pré-clínico, a potencial vacina universal contra o coronavírus desencadeou a produção de anticorpos que foram eficazes, em laboratório, contra o resfriado comum, a cepa original do SARS-CoV-2, quatro variantes do vírus da covid-19 (Alfa, Beta, Delta e Ômicron) e dois coronavírus encontrados em morcegos. No total, foram oito tipo de coronavírus testados.

Vacina universal contra os coronavírus obtém resultados promissores em estudo com animais (Imagem: Ha4ipuri/Envato)
Vacina universal contra os coronavírus obtém resultados promissores em estudo com animais (Imagem: Ha4ipuri/Envato)

Este pode ser o início da trilha para uma vacina que impeça o surgimento de outras pandemias, segundo os pesquisadores responsáveis. O estudo foi publicado na revista Science Translational Medicine.

Como funciona a vacina universal contra os coronavírus?

Diferente das atuais vacinas contra a covid-19, o potencial imunizante britânico tem como alvo a área S2 da proteína Spike dos coronavírus. A subunidade está presente na membrana viral do agente infeccioso e também auxilia no processo de invasão das células saudáveis. Normalmente, o foco das vacinas tradicionais é o S1.

No entanto, a S2 tende a ser mais estável e sofrer menos mutações que os outros alvos estudados até agora, segundo os autores. Além disso, está presente em outros tipos de coronavírus, como os que causam o resfriado comum — como o HCoV-OC43 — ou que são encontrados em animais selvagens.

“A área S2 da proteína Spike é um alvo promissor para uma potencial vacina pan-coronavírus, porque essa área é muito mais semelhante em diferentes coronavírus do que a área S1. É menos sujeito a mutações e, portanto, uma vacina direcionada a essa área deve ser mais robusta”, explica Kevin Ng, um dos autores do estudo, em comunicado.

“A expectativa de uma vacina que visa a área S2 é que ela possa oferecer alguma proteção contra todos os coronavírus atuais e futuros. Isso difere das vacinas que visam a área S1 mais variável que, embora eficazes contra a variante correspondente contra a qual foram projetadas [no caso da covid-19], são menos capazes de atingir outras variantes ou uma ampla gama de coronavírus", acrescenta o cientista George Kassiotis, que também esteve envolvido no estudo.

Apesar dos resultados promissores em roedores, uma série de estudos ainda deve ser realizada com a potencial vacina universal. No futuro, o imunizante poderá ser testado em humanos, caso se demonstre seguro e eficaz nas etapas anteriores.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos