Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.113,93
    +412,93 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    62,91
    -0,22 (-0,35%)
     
  • OURO

    1.777,30
    -2,90 (-0,16%)
     
  • BTC-USD

    56.988,60
    -3.122,45 (-5,19%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.292,81
    -98,90 (-7,11%)
     
  • S&P500

    4.185,47
    +15,05 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    34.200,67
    +164,67 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.019,53
    +36,03 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    29.282,09
    +312,38 (+1,08%)
     
  • NIKKEI

    29.748,10
    +64,73 (+0,22%)
     
  • NASDAQ

    14.030,00
    +0,50 (+0,00%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6695
    -0,0166 (-0,25%)
     

Vacina russa pode ser produzida inteiramente no Brasil até abril, diz União Química

Anthony Boadle
·2 minuto de leitura
Vacina russa Sputnik V

Por Anthony Boadle

BRASÍLIA (Reuters) - A farmacêutica brasileira União Química começou um teste de produção do ingrediente ativo necessário para produzir a vacina russa contra Covid-19 Sputnik V, e planeja fabricar a própria vacina em abril, o que faria dela a primeira feita inteiramente no Brasil, disse a empresa à Reuters.

"Esta semana já iniciamos um lote piloto de aprendizado de produção de IFA (ingrediente farmacêutico ativo). Não é para uso", disse o cientista-chefe da União Química, Miguel Giudicissi, à Reuters.

O Brasil está dependendo atualmente da exportação de ingredientes ativos de vacinas pela China para produzir vacinas contra a Covid-19, doença que já deixou mais de 210 mil mortos no país, mas o envio pelos chineses tem atrasado.

A Fundação Oswaldo Cruz e o Instituto Butantan preveem começar a produzir vacinas inteiramente no país apenas no segundo semestre -- em agosto a vacina da AstraZeneca será fabricada pela Fiocruz, e no final de setembro o Butantan começará a fabricar a vacina da Sinovac.

Giudicissi disse que o contrato da União Química com o Fundo de Investimento Direto da Rússia (RDIF), que está comercializando a Sputnik V, contempla uma transferência de tecnologia de 100% que já está bem encaminhada. Células e clones de vírus chegaram para iniciar a produção no Brasil sem necessidade de importação do ingrediente ativo.

"Nosso contrato é de transferência total de tecnologia. Já recebemos as células e os clones dos vírus. Já está tudo certo e vamos produzir aqui no Brasil", afirmou.

"Não será necessário importar IFA, e isto criaria uma autonomia para o Brasil de vacina para Covid", disse Giudicissi em uma videoconferência.

Executivos da empresa se reunirão com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) ainda nesta quinta-feira para fornecer informações adicionais que o órgão regulador solicitou para conceder uma autorização de uso emergencial à Sputnik V.

O executivo-chefe do RDIF disse em Moscou que a União Química está iniciando o processo de envasamento e embalagem da vacina e que acelerará a produção em fevereiro. Ele ainda disse que espera que a aprovação regulatória do Brasil seja resolvida nas próximas semanas.

Os parceiros russos fornecerão resultados adicionais de testes clínicos de estágio avançado com 22 mil voluntários na Rússia --de um total de 44 mil-- que devem convencer a Anvisa de que a Sputnik V é segura e tem uma eficácia de 90%, disse Giudicissi.

O RDIF tem 400 mil doses prontas para serem enviadas ao Brasil assim que a Anvisa liberar o uso emergencial, a serem seguidas por 4,6 milhões de doses em fevereiro e seis milhões em março graças ao processo de envasamento da União Química em sua linha de produção de São Paulo.