Mercado fechado
  • BOVESPA

    115.667,78
    +440,32 (+0,38%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.151,38
    -116,95 (-0,26%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,56
    +0,34 (+0,54%)
     
  • OURO

    1.803,10
    +5,20 (+0,29%)
     
  • BTC-USD

    49.625,74
    +1.550,13 (+3,22%)
     
  • CMC Crypto 200

    979,60
    -35,32 (-3,48%)
     
  • S&P500

    3.925,43
    +44,06 (+1,14%)
     
  • DOW JONES

    31.961,86
    +424,51 (+1,35%)
     
  • FTSE

    6.658,97
    +33,03 (+0,50%)
     
  • HANG SENG

    29.718,24
    -914,40 (-2,99%)
     
  • NIKKEI

    29.671,70
    -484,33 (-1,61%)
     
  • NASDAQ

    13.319,75
    +17,75 (+0,13%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5801
    -0,0304 (-0,46%)
     

Vacina Pfizer é 94% eficaz de acordo com estudo israelense

·1 minuto de leitura
Uma dose da vacina Pfizer

A principal seguradora de saúde de Israel afirmou neste domingo (14) que a vacina contra o coronavírus da Pfizer / BioNTech foi 94% eficaz, de acordo com um estudo realizado com mais de um milhão de pessoas vacinadas.

De acordo com a seguradora Clalit, seus cientistas testaram 600 mil pessoas que receberam as duas doses recomendadas da vacina e um número equivalente de pessoas que não receberam a injeção.

"Houve uma redução de 94% na taxa de infecção sintomática e uma queda de 92% na taxa de doença grave, em comparação com 600.000 [indivíduos] semelhantes que não foram vacinados", explicou a empresa em um comunicado.

“A eficácia da vacina é mantida em todas as categorias de idade, incluindo aquelas com mais de 70 anos”, acrescentou.

Desde meados de dezembro, Israel vacinou mais de 3,8 milhões de pessoas, 2,4 milhões das quais já receberam a segunda dose.

O país de nove milhões de habitantes espera vacinar toda a sua população com mais de 16 anos até o final de março.

“A publicação dos resultados preliminares neste momento tem o objetivo de enfatizar para a população não vacinada que a vacina é muito eficaz”, explicou a Clalit.

A seguradora disse que, por enquanto, o estudo foi feito com pessoas que já haviam sido vacinadas há pelo menos sete dias com a segunda dose, e que espera ampliá-lo no futuro.

Israel registrou 723.038 casos de covid-19 e 5.368 mortes.

scw/awa/feb/jvb/am