Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.764,26
    +3.046,32 (+2,78%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.853,37
    +392,82 (+0,81%)
     
  • PETROLEO CRU

    91,88
    -2,46 (-2,61%)
     
  • OURO

    1.799,70
    +10,00 (+0,56%)
     
  • BTC-USD

    24.510,64
    +406,68 (+1,69%)
     
  • CMC Crypto 200

    574,64
    +3,36 (+0,59%)
     
  • S&P500

    4.280,15
    +72,88 (+1,73%)
     
  • DOW JONES

    33.761,05
    +424,38 (+1,27%)
     
  • FTSE

    7.500,89
    +34,98 (+0,47%)
     
  • HANG SENG

    20.175,62
    +93,19 (+0,46%)
     
  • NIKKEI

    28.546,98
    +727,65 (+2,62%)
     
  • NASDAQ

    13.580,00
    +268,75 (+2,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2024
    -0,1213 (-2,28%)
     

Vacina para varíola dos macacos pode chegar este ano ao Brasil, diz Opas

Nos últimos dias, o número de casos da varíola dos macacos (monkeypox) tem crescido de forma significativa no Brasil, segundo dados do Ministério da Saúde. Na terça-feira (26), o total chegava a 813. Para acrescentar uma nova possibilidade na estratégia no controle da doença, a pasta negocia a compra de vacinas, através da Organização Pan-Americana de Saúde (Opas). A expectativa é que as primeiras doses cheguem até o final do ano, mesmo que em quantidade limitada.

Para obter doses da vacina contra a varíola dos macacos, o Brasil se associou a outros países — no total, são 10 nações — para a compra coletiva de doses, diretamente com a farmacêutica dinamarquesa Bavarian Nordic. Esta é responsável por produzir a fórmula do imunizante Jynneos.

Neste ano, Brasil deve receber número limitado de doses contra a varíola dos macacos, estima Opas (Imagem: FabrikaPhoto/Envato)
Neste ano, Brasil deve receber número limitado de doses contra a varíola dos macacos, estima Opas (Imagem: FabrikaPhoto/Envato)

Quando o Brasil terá vacinas contra a varíola dos macacos?

Durante coletiva de imprensa na manhã desta quarta-feira (27), o diretor da Opas, Marcos Espinal, disse que a vacina não deve ser considerada a principal estratégia para o controle dos surtos de varíola dos macacos. Outras medidas, como testes e vigilância de contatos próximos, são de ampla importância.

No momento, Espinal explica que a compra coletiva das vacinas envolve 10 países interessados e outros com algum grau de interesse. "Temos esperança de que teremos vacina ainda este ano, as negociações continuam. (As doses) devem ser limitadas, não em massa, porque há apenas um produtor. Mas vamos tentar assegurar que cheguem neste ano", afirmou o diretor, segundo o jornal O Globo.

"Para os países que chegarem depois, como, por exemplo, [pode ser o caso do] Brasil, vamos poder oferecer ainda neste ano um pequeno quantitativo para aplacar situações emergenciais e depois garantir que recebam, em primeiro lugar, até o segundo trimestre do ano que vem", informou Rolf Sass Sorensen, vice-presidente das relações com investidores da Bavarian Nordic, na última semana.

Vale lembrar que, no momento, alguns países já imunizam profissionais da saúde, contatos próximos de casos confirmados e grupos de risco contra a varíola dos macacos. São os casos dos Estados Unidos, França e Reino Unido. Além da Jynneos, uma fórmula da Sanofi, a ACM200, é usada para a vacinação por causa da proteção cruzada.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos