Mercado fechará em 1 h
  • BOVESPA

    101.955,00
    +1.402,56 (+1,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.492,57
    -176,68 (-0,46%)
     
  • PETROLEO CRU

    40,58
    +0,55 (+1,37%)
     
  • OURO

    1.905,70
    -23,80 (-1,23%)
     
  • BTC-USD

    13.056,55
    +1.999,55 (+18,08%)
     
  • CMC Crypto 200

    263,41
    +7,31 (+2,85%)
     
  • S&P500

    3.452,19
    +16,63 (+0,48%)
     
  • DOW JONES

    28.362,59
    +151,77 (+0,54%)
     
  • FTSE

    5.785,65
    +9,15 (+0,16%)
     
  • HANG SENG

    24.786,13
    +31,71 (+0,13%)
     
  • NIKKEI

    23.474,27
    -165,19 (-0,70%)
     
  • NASDAQ

    11.637,50
    -53,75 (-0,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5982
    -0,0518 (-0,78%)
     

Vacina do Butantan estará pronta para ser analisada pela Anvisa na segunda, diz Doria

Redação Notícias
·3 minutos de leitura
 REUTERS/Thomas Peter
REUTERS/Thomas Peter

O Instituto Butantan enviará na próxima segunda-feira à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) os resultados dos testes em estágio avançado em humanos realizados no país da vacina contra a Covid-19 desenvolvida pela empresa chinesa Sinovac, que serão finalizados pelo instituto neste fim de semana, disse o governador de São Paulo, João Doria (PSDB).

"A vacina do Butantan com a Sinovac é a mais avançada das vacinas neste momento em última etapa de testagem aqui no Brasil. Ela termina nesta semana, neste final de semana, e na segunda-feira os resultados já serão encaminhados integralmente para a Anvisa pelo Instituto Butantan", disse Doria em entrevista coletiva nesta quinta-feira em Taboão da Serra, na Grande São Paulo, onde acompanhou o início de testagem para coronavírus em alunos e profissionais da área de educação.

Leia também

O Butantan já enviou à Anvisa documentos de estudos anteriores com a vacina da Sinovac realizados na China, como parte de um novo procedimento adotado pela agência regulatória para acelerar a análise de futuros pedidos de registros de vacina.

O mesmo procedimento também foi adotado para análise da vacina desenvolvida pela farmacêutica britânica AstraZeneca com a Universidade de Oxford, no Reino Unido, com a qual o governo federal firmou acordo de fornecimento por meio da Fundação Oswaldo Cruz.

Nenhuma das duas vacinas têm ainda aprovação regulatória junto à Anvisa, sem a qual não podem ser aplicadas na população.

O governador de São Paulo também comentou as tratativas do governo paulista com o Ministério da Saúde para a inclusão da vacina da Sinovac no programa nacional de imunização, após, na véspera, o ministro da pasta, general Eduardo Pazuello, se reunir com secretários estaduais --entre eles o de São Paulo, Jean Gorinchteyn-- para tratar dos planos de vacinação e não incluir a vacina que está sendo testada pelo Butantan.

Doria lembrou que irá a Brasília na quarta-feira se reunir com Pazuello. Ele disse que irá acompanhado de parlamentares e que, na ocasião, espera solucionar o impasse. Gorinchteyn disse que o conselho de secretários estaduais de Saúde enviou ofício à pasta pedindo a inclusão da CoronaVac no programa.

"Vamos em missão de paz no dia 21, mas com a certeza de que nós desejamos ter a vacina, para os brasileiros de São Paulo e para os brasileiros do Brasil", disse Doria. "Não se coloca dúvidas sobre a questão científica da vacina", garantiu.

O governador, que é adversário político do presidente Jair Bolsonaro, disse que se não houver um acordo com o governo federal, a administração estadual tomará todas medidas necessárias para poder vacinar a população de São Paulo.

"Não há hipótese do governo de São Paulo, e eu como governador, aceitar qualquer colocação postergatória, seja do Ministério da Saúde, seja da Anvisa, para não iniciar a vacinação o mais rapidamente possível", afirmou.

"Para salvar vidas, São Paulo usará todos os recursos necessários. Primeiro no entendimento, no diálogo republicano com o Ministério da Saúde e com a Anvisa, tecnicamente. Mas se isto não ocorrer, saberemos como utilizar mecanismos outros para fazer valer a vacina para os brasileiros, pelo menos os que vivem em São Paulo", assegurou.

Da REUTERS