Mercado abrirá em 5 h 32 min

Vacina da Sinovac mostra quatro taxas de eficácia diferentes

Jinshan Hong
·3 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Dias antes do início da distribuição global com a vacinação do presidente da Indonésia ao vivo na TV com o imunizante da Sinovac Biotech, a incerteza paira sobre a eficácia da principal vacina chinesa, que mostrou quatro níveis diferentes de proteção em números divulgados nas últimas semanas.

A Indonésia, que se movimenta mais rapidamente na distribuição da dose da Sinovac para a população, disse que um ensaio local mostrou eficácia de 65% contra a Covid-19. Mas apenas 1.620 pessoas na Indonésia participaram desse ensaio, um número muito baixo para dados significativos.

No mês passado, a Turquia disse que a mesma vacina mostrou eficácia de 91,25% em seu ensaio no país, que foi igualmente pequeno para uma conclusão suficiente.

No Brasil, onde é realizado o maior ensaio da Sinovac com mais de 13 mil pessoas, as taxas de eficácia divulgadas foram conflitantes. O Instituto Butantan, parceiro da empresa chinesa, disse na semana passada que a vacina mostrou 78% de eficácia na prevenção de casos leves de Covid-19 e foi 100% eficaz contra infecções graves e moderadas.

Mas, segundo reportagem do UOL, que citou fontes não identificadas, a taxa de eficácia ficou entre 50% e 60%. O Instituto Butantan disse que a informação é “especulativa” e que divulgará dados adicionais na terça-feira.

A sobreposição de dados sobre a eficácia não é sem precedentes na corrida de vacinas contra a Covid-19. A AstraZeneca divulgou duas taxas de proteção separadas com base em diferentes regimes de dosagem no mês passado, e todas os números estão acima do limite de 50% de eficácia exigido por reguladores para aprovação.

No entanto, a confusão gerada quando vários governos se comprometem a inocular cidadãos com o imunizante da Sinovac alimenta o ceticismo em relação às vacinas chinesas, que revelaram menos segurança e informações sobre os ensaios do que os concorrentes ocidentais. A confusão de dados poderia minar ainda mais a confiança nas vacinas que o presidente Xi Jinping prometeu compartilhar com o resto do mundo como um bem público global.

“Há uma enorme pressão financeira e de prestígio para que esses ensaios exagerem muito seus resultados”, disse Nikolai Petrovsky, professor da Faculdade de Medicina e Saúde Pública da Universidade Flinders.

“Em muitos casos, esses exageros também têm motivação política, já que países que não conseguiram controlar a pandemia de maneira adequada agora querem exagerar os benefícios das vacinas para ganhar votos e apaziguar a inquietação local.”

Um porta-voz da Sinovac não quis comentar os números dos ensaios no Brasil, Turquia e Indonésia e disse que mais dados serão divulgados pelo parceiro brasileiro nesta semana.

A questão dos dados parece já estar atrasando a aprovação regulatória para a vacina de Sinovac em alguns lugares.

“Inicialmente, a Sinovac enviaria suprimentos da vacina para Hong Kong em janeiro. Mas atrasaram três vezes o anúncio dos dados do ensaio clínico de fase III”, disse David Hui, professor de medicina respiratória da Universidade Chinesa de Hong Kong que faz parte do painel consultivo de Covid-19 do centro financeiro asiático. “Isso atrasaria a avaliação de sua aplicação.”

Confusão de cálculo

O enorme ensaio no Brasil que, segundo a Sinovac, fornecerá os dados de eficácia definitivos, recebeu intenso escrutínio.

Observadores ficaram perplexos com a primeira taxa de eficácia de 78% anunciada pelo Instituto Butantan. De acordo com as informações divulgadas, o estudo registrou cerca de 220 participantes infectados: 160 no grupo do placebo e quase 60 no grupo vacinado.

Se os participantes do ensaio fossem divididos igualmente entre o grupo da vacina e do placebo, a taxa de eficácia deveria ser de 62,5%, disse Petrovsky, que também é diretor de pesquisa da Vaxine, uma empresa que desenvolve uma vacina contra a Covid-19.

Cálculos externos ainda são especulativos, a menos que mais dados, como o número total de pessoas no grupo do placebo e do grupo vacinado, sejam divulgados em revistas científicas revisadas por pares, disse Raina MacIntyre, responsável pelo Programa de Biossegurança do Instituto Kirby da Universidade de Nova Gales do Sul.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.