Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.038,11
    +2.117,50 (+1,77%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.249,02
    +314,11 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,82
    +0,11 (+0,17%)
     
  • OURO

    1.832,00
    +16,30 (+0,90%)
     
  • BTC-USD

    57.290,98
    -1.402,27 (-2,39%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.480,07
    +44,28 (+3,08%)
     
  • S&P500

    4.232,60
    +30,98 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    34.777,76
    +229,23 (+0,66%)
     
  • FTSE

    7.129,71
    +53,54 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    28.610,65
    -26,81 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    29.357,82
    +26,45 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    13.715,50
    +117,75 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3651
    -0,0015 (-0,02%)
     

Vacina da Pfizer deve ser disponibilizada para adolescentes em junho na Europa

Fidel Forato
·2 minuto de leitura

Desenvolvida pela farmacêutica norte-americana Pfizer e pela empresa de biotecnologia alemã BioNTech, esta vacina contra o coronavírus SARS-CoV-2 foi a primeira a ser aprovada na União Europeia (UE) para pessoas com mais de 16 anos. Agora, o imunizante contra a COVID-19 também deve estar disponível para adolescentes de 12 a 15 anos, na Europa, a partir de junho. Ainda é preciso aguardar pela autorização do órgão regulador.

Segundo o presidente-executivo da BioNTech, Uğur Şahin, a companhia deve apresentar o pedido para expandir o público-alvo da vacina, aprovada de forma emergencial, na próxima quarta-feira (5) para a Agência Europeia de Medicamentos (EMA).

Pfizer busca ampliar a vacinação contra a COVID-19, incluindo adolescentes entre 12 e 15 anos (Imagem: Reprodução/Microgen/Envato Elements)
Pfizer busca ampliar a vacinação contra a COVID-19, incluindo adolescentes entre 12 e 15 anos (Imagem: Reprodução/Microgen/Envato Elements)

Nos Estados Unidos, o pedido para incluir a faixa etária dos 12 aos 15 anos aguarda autorização da agência reguladora local desde o início de abril. Vale lembrar que este também foi o primeiro imunizante a ser aprovado nos EUA contra o coronavírus. Por enquanto, as empresas ainda não sinalizaram o pedido para expandir o uso da fórmula Pfizer/BioNTech no Brasil, onde ela já possui registro definitivo na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Vacinação dos mais jovens contra a COVID-19

De acordo com a empresa alemã, a vacinação dos mais jovens deve ser vista como um passo fundamental para a imunidade coletiva e o fim da pandemia da COVID-19. Inclusive, a possibilidade de imunizar os adolescentes contra o coronavírus garantirá que as escolas permaneçam abertas e eventuais surtos da doença não devem levar ao fechamento das unidades de ensino, como já aconteceu algumas vezes. Neste caminho, a BioNTech também anunciou que está testando a vacina contra a COVID-19 em bebês e crianças de seis meses a cinco anos, o que garantirá, no futuro, a imunização completa da população.

Vale lembrar que, no final do março, a BioNTech e a Pfizer divulgaram os resultados de um estudos sobre a imunização dos mais jovens (de 12 a 15 anos) contra a COVID-19. No grupo, a fórmula demonstrou uma alta resposta no número de anticorpos e segurança. A taxa de eficácia inicial foi de 100% contra o agente infeccioso.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: