Mercado fechado
  • BOVESPA

    116.464,06
    -916,43 (-0,78%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.053,56
    -72,95 (-0,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,77
    +0,16 (+0,30%)
     
  • OURO

    1.847,90
    -3,00 (-0,16%)
     
  • BTC-USD

    32.152,07
    -251,01 (-0,77%)
     
  • CMC Crypto 200

    649,57
    +2,25 (+0,35%)
     
  • S&P500

    3.849,62
    -5,74 (-0,15%)
     
  • DOW JONES

    30.937,04
    -22,96 (-0,07%)
     
  • FTSE

    6.654,01
    +15,16 (+0,23%)
     
  • HANG SENG

    29.391,26
    -767,75 (-2,55%)
     
  • NIKKEI

    28.709,38
    +163,20 (+0,57%)
     
  • NASDAQ

    13.548,75
    +63,25 (+0,47%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5125
    +0,0017 (+0,03%)
     

Vacina da Oxford-AstraZeneca é submetida a regulador do Reino Unido para aprovação

·1 minuto de leitura
Fotografia ilustrativa com logotipos da AstraZeneca e da Universidade de Oxford, feita em 17 de novembro de 2020

Dados completos sobre a vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford e a farmacêutica AstraZeneca foram apresentados ao regulador britânico, abrindo o caminho para uma possível validação, anunciou nesta quarta-feira (23) o ministro da Saúde, Matt Hancock.

"Tenho o prazer de anunciar que a vacina Oxford-AstraZeneca desenvolvida aqui no Reino Unido submeteu todos os seus dados ao MHRA", o órgão regulador do país, "para sua aprovação", disse ele em coletiva de imprensa.

"Este é o próximo passo para uma decisão sobre a distribuição da vacina, que já está sendo fabricada", acrescentou, enquanto saíam as más notícias: a prorrogação de um novo confinamento no sul da Inglaterra e a identificação de outra nova cepa do vírus em viajantes procedentes da África do Sul.

O Reino Unido já aprovou uma primeira vacina, desenvolvida pela Pfizer e pela BioNTech, que está sendo aplicada desde o início do mês, principalmente entre os grupos mais vulneráveis. Mais de 500 mil pessoas já receberam a primeira dose, segundo o governo.

A vacina da Oxford e da AstraZeneca é aguardada com grande expectativa porque é mais fácil de distribuir em larga escala, já que não precisa ser mantida a 70 graus Celsius negativos.

spe/gmo/pcm/msr/mb/ic/mvv