Mercado fechará em 5 h 40 min
  • BOVESPA

    111.055,36
    -484,44 (-0,43%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.682,19
    +897,61 (+2,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,10
    +1,35 (+2,26%)
     
  • OURO

    1.707,80
    -25,80 (-1,49%)
     
  • BTC-USD

    51.049,13
    +2.123,37 (+4,34%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.018,05
    +29,96 (+3,03%)
     
  • S&P500

    3.870,29
    -31,53 (-0,81%)
     
  • DOW JONES

    31.391,52
    -143,99 (-0,46%)
     
  • FTSE

    6.641,20
    +27,45 (+0,42%)
     
  • HANG SENG

    29.880,42
    +784,56 (+2,70%)
     
  • NIKKEI

    29.559,10
    +150,93 (+0,51%)
     
  • NASDAQ

    13.005,50
    -49,75 (-0,38%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,9110
    +0,0489 (+0,71%)
     

Vacina da J&J tem eficácia moderada contra a covid-19, mas variantes preocupam

Issam AHMED
·3 minuto de leitura
A Johnson & Johnson deve se candidatar em breve a uma autorização de emergência nos Estados Unidos e poderia, portanto, ser a terceira vacina disponível no país mais afetado do mundo pela pandemia

A vacina de dose única contra a covid-19 da Johnson & Johnson tem uma eficácia geral de 66%, informou a empresa nesta sexta-feira (29) após um enorme teste em vários continentes, mas o imunizante não protege tão bem contra a variante descoberta na África do Sul.

Por outro lado, a vacina foi capaz de prevenir 85% dos casos graves de covid-19 em todas as regiões geográficas, um indicador importante elogiado por especialistas.

Sua eficácia contra todas as formas da doença - leve, moderada e grave - chegou a 72% nos Estados Unidos, mas caiu para 57% na África do Sul, onde predomina uma nova variante mais transmissível. Na América Latina, foi 66% eficaz.

"Estamos orgulhosos de ter alcançado este marco crítico e nosso compromisso em lidar com esta crise global de saúde continua com urgência para todos, em todos os lugares", afirmou o CEO da empresa, Alex Gorsky.

Segundo a porta-voz da Casa Branca, Jen Psaki, o presidente Joe Biden ficou "animado" com os dados e a agência reguladora de medicamentos FDA fará sua própria avaliação.

A J&J disse que solicitará uma autorização de emergência nos Estados Unidos no início de fevereiro e que a vacina provavelmente se tornará a terceira disponível no país, o mais afetado do mundo pela pandemia.

Embora não seja tão protetora quanto as vacinas da Pfizer e da Moderna (95%), a comparação não é tão justa, já que os testes das duas foram realizados antes da disseminação das novas mutações.

Essas variantes, como a B.1.135 na África do Sul e a P.1 no Brasil, escapam de parte da ação bloqueadora de anticorpos desencadeada por vacinas feitas contra a cepa comum do vírus.

Porém, a vacina da J&J requer apenas uma dose e pode ser armazenada por até três meses a temperaturas de 2 a 8 graus Celsius, o que lhe dá uma vantagem logística sobre os imunizantes da Pfizer e da Moderna.

"O real resultado de destaque é que uma vacina de dose única, que pode ser facilmente armazenada e administrada a longo prazo, oferece proteção completa contra a hospitalização e a morte", disse Amesh Adalja, especialista do Centro Johns Hopkins para Segurança de Saúde.

A Johnson & Johnson afirma que, se autorizada, está a caminho de entregar 100 milhões de doses aos Estados Unidos até o final de junho.

- Vacina de vetor viral -

A vacina da J&J usa uma versão geneticamente modificada de um adenovírus causador do resfriado comum como um "vetor" para transportar instruções genéticas para as células humanas, dizendo-lhes para criar uma proteína do coronavírus.

Isso, por sua vez, evoca uma resposta imunológica. É a mesma tecnologia usada na vacina contra o ebola aprovada pela Comissão Europeia.

A desvantagem de vacinas de vetor é que o corpo humano pode desenvolver uma resposta imunológica ao vetor, atacando-o e reduzindo sua eficácia, principalmente das vacinas de reforço. Esse foi um ponto fraco da AstraZeneca.

O estudo de Fase 3 da Johnson & Johnson foi conduzido em oito países, envolvendo 43.783 pessoas, 34% das quais tinham mais de 60 anos.

As diferenças em sua eficácia entre os EUA, a América Latina e a África do Sul enfatizam ainda mais a crescente ameaça representada por novas variantes.

ia/ft/ic/mvv