Mercado abrirá em 7 h 24 min
  • BOVESPA

    120.636,39
    -605,24 (-0,50%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.495,41
    -962,61 (-2,07%)
     
  • PETROLEO CRU

    53,35
    +0,37 (+0,70%)
     
  • OURO

    1.849,60
    +9,40 (+0,51%)
     
  • BTC-USD

    35.235,05
    -659,20 (-1,84%)
     
  • CMC Crypto 200

    699,10
    -16,10 (-2,25%)
     
  • S&P500

    3.798,91
    +30,66 (+0,81%)
     
  • DOW JONES

    30.930,52
    +116,26 (+0,38%)
     
  • FTSE

    6.712,95
    -7,70 (-0,11%)
     
  • HANG SENG

    29.718,86
    +76,58 (+0,26%)
     
  • NIKKEI

    28.443,55
    -189,91 (-0,66%)
     
  • NASDAQ

    13.024,75
    +39,25 (+0,30%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5055
    +0,0069 (+0,11%)
     

Vacina CoronaVac registra 78% de eficácia em testes no BR, afirma governo de SP

Fidel Forato
·3 minuto de leitura

Nesta quinta-feira (7), o governo de São Paulo anunciou os resultados parciais do estudo clínico da vacina CoronaVac contra o novo coronavírus (SARS-CoV-2). Desenvolvido pela farmacêutica chinesa Sinovac e pelo Instituto Butantan, o imunizante contra a COVID-19 registrou uma taxa de eficácia de 78% no estudo brasileiro com cerca de 13 mil voluntários, segundo as autoridades de saúde responsáveis pelo estudo.

Ainda nos estudos clínicos de fase 3, também foi verificado que a CoronaVac apresentou uma taxa de eficácia de 100% na prevenção de casos mais graves da COVID-19, ou seja, os voluntários vacinados não desenvolveram as formas mais graves da infecção por coronavírus e, dessa forma, não necessitaram de internação hospitalar.

Vacina CoronaVac contra a COVID-19 apresentou taxa de eficácia de 78% contra a COVID-19 (Imagem: Reprodução/ Governo do Estado de SP)
Vacina CoronaVac contra a COVID-19 apresentou taxa de eficácia de 78% contra a COVID-19 (Imagem: Reprodução/ Governo do Estado de SP)

Com a divulgação dos dados, a expectativa é que o Instituto Butantan solicite à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), ainda nesta semana, a autorização de uso emergencial da vacina CoronaVac contra a COVID-19. Anteriormente, a divulgação desses dados de eficácia foram adiados por quatro vezes.

Taxa de eficácia da CoronaVac

Para a adoção de vacinas, a Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda uma taxa mínima de 50%. Nesse cenário, os resultados obtidos com a vacina CoranaVac são satisfatórios e devem contribuir com o combate da pandemia do novo coronavírus, já que apresentou uma taxa de eficácia de 78%. Em outras palavras, isso significa dizer que cada pessoa vacinada tem 78% menos de chances de contrariar a infecção do que aquelas que não foram.

Em termos comparativos, outros três imunizantes contra a COVID-19 já divulgaram sua taxa de eficácia, sendo todos com mais de 50%. São eles: a vacina da farmacêutica norte-americana Pfizer e da empresa alemã de biotecnologia BioNTech, com 95% de eficácia, segundo as agências reguladoras que aprovaram sua fórmula nos EUA e na União Europeia (UE), por exemplo; a vacina da norte-americana Moderna com 94,5% de eficácia, segundo a agência dos EUA e da UE; a vacina desenvolvida pela farmacêutica AstraZeneca e pela Universidade de Oxford aprovada com uma taxa de eficácia de 62%, no Reino Unido.

Quanto a taxa de eficácia menor da CoronaVac em relação aos imunizantes da Pfizer e da Moderna, a microbiologista Natália Pasternak, do Instituto Questão de Ciência (IQC), explica que já era esperado, para o G1. "É completamente esperado. Uma vacina de vírus inativado [como a CoronaVac] dificilmente vai ter a mesma eficácia do que vacinas de RNA ou vacinas de adenovírus [vetor viral], que conseguem entrar na célula e imitar, de uma forma muito mais efetiva, a infecção natural. Elas acabam provocando uma resposta imune que é tanto de anticorpos como de resposta celular", explica a pesquisadora.

Prevista para ser distribuída a partir do dia 25, vacina CoronaVac obteve 78% de eficácia em estudo brasileiro (Imagem: reprodução/ CDC/ Unsplash)
Prevista para ser distribuída a partir do dia 25, vacina CoronaVac obteve 78% de eficácia em estudo brasileiro (Imagem: reprodução/ CDC/ Unsplash)

"A vacina inativada não consegue provocar uma resposta tão completa. É esperado que ela tenha uma eficácia menor. A eficácia de 78% da CoronaVac, ao que tudo indica, é uma eficácia excelente e compatível com uma vacina de vírus inativado. Com uma boa campanha, vai ser uma ótima vacina para o Brasil", completa Pasternak. No entanto, ainda é necessária a publicação completa dos dados e a revisão da análise por outros pares.

Vale lembrar que a previsão do governo de São Paulo é iniciar a vacinação no dia 25 de janeiro com a vacina CoronaVac, conforme anunciado em reunião com prefeituras do estado na quarta-feira (6). Segundo a Secretária de Estado da Saúde, a primeira etapa de vacinação estadual contra a COVID-19 deve priorizar profissionais da saúde, pessoas com 60 anos ou mais e grupos indígenas e quilombolas. Dentro desta etapa, a expectativa de São paulo é que nove milhões de pessoas sejam imunizadas, com a aplicação de 18 milhões de doses da CoronaVac, até o dia 28 de março.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: