Mercado fechado

Vacina contra o coronavírus produzida em SP não apresentou efeitos adversos em 94% dos voluntários

Anita Efraim
·2 minutos de leitura
The governor of the state of São Paulo, João Doria holds a press conference on the beginning of tests with volunteers and health professionals with the Chinese vaccine CORONAVAC in the fight against the new coronavirus (Covid-19), at Hospital das Clínicas this Tuesday, on July 21, 2020 in Sao Paulo, Brazil. This morning, the CORONAVAC vaccine was applied to a HC Physician and the forecast is that the 9,000 volunteers will be vaccinated by September 2020. The Government has announced that the forecast to make the vaccine available to the population should occur in early 2021. In the photo Governor João Doria presents the new Chinese vaccine CORONAVAC. (Photo: Antonio Molina/Fotoarena/Sipa USA)(Sipa via AP Images)
Governador João Doria espera vacinar toda população do estado até fevereiro (Footo: Antonio Molina/Fotoarena/Sipa USA via AP Images)

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), confirmou que a vacina contra o coronavírus CoronaVac, da farmacêutica SinoVac em parceria com o Instituto Butantan, é segura. Segundo o divulgado na coletiva desta quarta-feira, 23, 94,7% dos voluntários que participaram dos testes não apresentaram efeitos colaterais.

Ao todo, 50 mil pessoas participaram da testagem na China. Apenas 5,36% dos imunizadores tiveram sintomas como dor no local da aplicação, fadiga e febre moderada.

"Os resultados dos estudos clínicos realizados na China mostraram um baixo índice de apenas 5.3 de efeitos adversos e de baixa gravidade. A maioria destes casos apresentou apenas do no local da aplicação da vacina. Efeitos adversos de baixa gravidade para uma minoria de pessoas sã comuns em vacinas amplamente utilizadas”, afirmou o governador.

Leia também:

Doria ainda deu o exemplo da vacina da gripe. Entre os imunizados, cerca de 10% têm algum tipo de reação.

No Brasil, a CoronaVac está na fase 3 de testes e, se os resultados forem positivos, poderá passar pela aprovação da Anvisa. Em seguida, o governo paulista poderá começar a vacinar a população. Doria espera tem 5 milhões de doses em outubro e, em fevereiro, ter vacinado toda a população do estado.