Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.282,67
    -781,69 (-0,69%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.105,71
    -358,56 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,95
    +0,65 (+0,89%)
     
  • OURO

    1.750,60
    +0,80 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    42.650,76
    -1.665,25 (-3,76%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.067,20
    -35,86 (-3,25%)
     
  • S&P500

    4.455,48
    +6,50 (+0,15%)
     
  • DOW JONES

    34.798,00
    +33,18 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.051,48
    -26,87 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    24.192,16
    -318,82 (-1,30%)
     
  • NIKKEI

    30.248,81
    +609,41 (+2,06%)
     
  • NASDAQ

    15.319,00
    +15,50 (+0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2556
    +0,0306 (+0,49%)
     

Vacina contra COVID-19 não aumenta risco de aborto, diz Reino Unido

·1 minuto de leitura

Ainda se tem feito muita pesquisa em torno de possíveis efeitos colaterais das vacinas contra COVID-19. No entanto, o aumento no risco de aborto espontâneo não é um deles. Pelo menos, foi o que concluiu a Agência Reguladora de Medicamentos e Produtos de Saúde (MHRA), do Reino Unido, na última segunda (23).

Segundo a agência, simplesmente não há evidências que sugiram que as vacinas contra a COVID-19 aumentem o risco de aborto espontâneo. Os dados coletados pela agência também não apontam ligação entre as mudanças nos períodos menstruais e as vacinas em questão. O número de notificações de distúrbios menstruais e sangramento vaginal é baixo em relação ao número de pessoas que receberam o imunizante contra a COVID-19 até o momento.

(Imagem: microgen/Envato)
(Imagem: microgen/Envato)

Quase 200 mil gestantes receberam a vacina contra a COVID-19 sem problemas adversos à saúde no Reino Unido, e a ideia é que essa evidência adicional da MHRA incentive esse público a se vacinar.

Estudos no Reino Unido sugerem que mulheres grávidas não têm maior probabilidade de contrair COVID-19 do que outros grupos, mas podem ter maior risco de contrair doença grave, uma preocupação que também já foi mencionada pelos Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos. Segundo o Comitê Conjunto de Vacinação e Imunização do Reino Unido, mulheres grávidas que contraem infecção sintomática por COVID-19 têm duas a três vezes mais probabilidade de dar à luz prematuramente.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos