Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.923,93
    +998,33 (+0,90%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.234,37
    -223,18 (-0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,34
    -0,88 (-1,08%)
     
  • OURO

    1.797,30
    -3,80 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    17.046,32
    +83,96 (+0,49%)
     
  • CMC Crypto 200

    404,33
    +2,91 (+0,72%)
     
  • S&P500

    4.071,70
    -4,87 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    34.429,88
    +34,87 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.556,23
    -2,26 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    18.675,35
    -61,09 (-0,33%)
     
  • NIKKEI

    27.777,90
    -448,18 (-1,59%)
     
  • NASDAQ

    11.979,00
    -83,75 (-0,69%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4940
    +0,0286 (+0,52%)
     

Vacina contra chikungunya | Estudo busca voluntários adolescentes em SP

Para a terceira e última fase de pesquisa da vacina contra chikungunya, voluntários brasileiros são recrutados na cidade de São Paulo. Liderado por cientistas do Instituto de Infectologia Emílio Ribas, o foco do estudo clínico é testar a segurança e a eficácia do imunizante em adolescentes de 12 a 17 anos.

Para além da cidade de São Paulo — onde as primeiras doses da vacina contra a chikungunya já foram aplicadas —, o estudo deve envolver até 750 adolescentes, divididos em 10 centros de pesquisa, incluindo os estados de Minas Gerais e Bahia. Nacionalmente, a pesquisa é comandada pelo Instituto Butantan.

Caso a terceira fase seja concluída com sucesso, esta deve ser a primeira vacina a ser aprovada contra a doença no mundo. Para a imunização, será necessário apenas uma dose.

Vale lembrar que a doença pode ter manifestações sistêmicas, como febre, muita dor no corpo, dor nas juntas. Em casos mais graves, pode provocar encefalite (infecção no cérebro) e morte. A condição é causada pelo vírus Chikv, transmitido por mosquitos, como o Aedes aegypti, que também provoca a dengue.

Tem risco participar de estudo para a nova vacina?

Estudo de São Paulo recruta adolescentes para testes com vacina contra a chikungunya (Imagem: DragonImages/Envato)
Estudo de São Paulo recruta adolescentes para testes com vacina contra a chikungunya (Imagem: DragonImages/Envato)

"A vacina se mostrou segura nos adultos e, até o momento, nos adolescentes vacinados no Brasil, tem se mostrado segura”, explica Ana Paula Veiga, infectologista e pesquisadora do Instituto de Infectologia Emílio Ribas, para Agência Brasil.

Aqui, também é importante destacar que o imunizante já demonstrou ser seguro e eficaz em outras pesquisas realizadas nos Estados Unidos, onde mais de 4,1 mil adultos estiveram envolvidos. Esta etapa também foi considerada de Fase 3, como a que é realizada no Brasil.

Como fazer a inscrição no estudo da vacina contra chikungunya?

Para fazer a pré-inscrição no estudo da vacina contra a chikungunya, os adolescentes e os respectivos responsáveis devem preencher um formulário, disponibilizado pelo Instituto Emílio Ribas. Também é possível entrar em contato com o centro de pesquisa através dos números (11) 91026-6996 ou (11) 3896-1302.

Na primeira etapa, os jovens recrutados irão passar por consultas médicas e exames laboratoriais. Em seguida, o voluntário receberá a dose de uma vacina, que poderá ser do imunizante, de fato, ou de um placebo. Durante todo o período de testes, os participantes serão acompanhados por uma equipe médica e terão atendimento prioritário.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: