Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.126,52
    -1.115,11 (-0,92%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.588,18
    -869,84 (-1,87%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,95
    +0,59 (+1,13%)
     
  • OURO

    1.836,90
    +7,00 (+0,38%)
     
  • BTC-USD

    36.440,66
    -1,08 (-0,00%)
     
  • CMC Crypto 200

    719,67
    +4,48 (+0,63%)
     
  • S&P500

    3.799,81
    +31,56 (+0,84%)
     
  • DOW JONES

    30.963,05
    +148,79 (+0,48%)
     
  • FTSE

    6.712,95
    -7,70 (-0,11%)
     
  • HANG SENG

    29.642,28
    +779,51 (+2,70%)
     
  • NIKKEI

    28.633,46
    +391,25 (+1,39%)
     
  • NASDAQ

    12.982,50
    +180,25 (+1,41%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4816
    +0,0863 (+1,35%)
     

Vacina chinesa é efetiva contra variantes da covid-19, afirma grupo farmacêutico

·2 minuto de leitura
Fila de vacinação contra a covie-19 em centro médico de Yantai, província de Shandong, leste da China

A primeira vacina chinesa aprovada oficialmente contra a covid-19 é eficaz contra as novas variantes do vírus, afirmou um dos grupos responsáveis pelo desenvolvimento do fármaco.

A vacina desenvolvida pelo laboratório público Sinopharm em parceria com o China National Biotec Group (CNBG) tem uma taxa de eficiência de 79%, anunciou na semana passada o grupo farmacêutico, pouco antes de receber uma aprovação "condicional" para a comercialização. 

"A atual mutação do vírus covid-19 não faz com que a vacina seja ineficaz", disse o presidente do CNBG, Yang Xiaoming, à imprensa estatal. 

Pequim anunciou na quinta-feira que detectou a nova variante de origem britânica em um estudante que retornava do Reino Unido. Em 24 de dezembro, a China já havia ordenado a suspensão de seus voos com este país.

As autoridades chinesas tentam acelerar a vacinação antes da grande migração do Ano Novo lunar, que acontecerá em 12 de fevereiro. 

A festa geralmente provoca o maior movimento de migração do mundo, quando centenas de milhões de trabalhadores deixam as grandes metrópoles para retornar a suas cidades de origem. 

Em Xangai, os profissionais de saúde receberam uma injeção esta semana. Mas ao contrário da Europa, os idosos não estão entre os grupos prioritários para a vacinação e os fármacos estão reservados para pessoas com idades entre 18 e 59 anos. 

Segundo o jornal Global Times, poucas pessoas idosas foram incluídas nos testes clínicos da vacina, o que explica "o recurso prudente da vacinação para pessoas mais velhas". 

Sem aguardar a aprovação oficial das autoridades médicas, a China, onde a covid-19 apareceu pela primeira vez há pouco mais de um ano, começou a vacinar milhões de pessoas em caráter emergencial no ano passado, incluindo profissionais da saúde, estudantes que viajariam ao exterior e diplomatas. 

Nos últimos meses foram administradas ao menos 4,5 milhões de doses, anunciaram as autoridades na semana passada. 

Embora o país tenha erradicado em grande medida a epidemia, na segunda-feira e terça-feira foram registrados 33 novos casos em 24 horas, o maior número em quase dois meses.

rox/bar/sbr/pcm/pc/zm