Mercado abrirá em 1 h 47 min
  • BOVESPA

    110.611,58
    -4.590,65 (-3,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.075,41
    +732,87 (+1,58%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,72
    +0,67 (+1,03%)
     
  • OURO

    1.699,60
    +21,60 (+1,29%)
     
  • BTC-USD

    54.235,61
    +4.396,52 (+8,82%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.095,65
    +71,44 (+6,98%)
     
  • S&P500

    3.821,35
    -20,59 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    31.802,44
    +306,14 (+0,97%)
     
  • FTSE

    6.750,85
    +31,72 (+0,47%)
     
  • HANG SENG

    28.773,23
    +232,40 (+0,81%)
     
  • NIKKEI

    29.027,94
    +284,69 (+0,99%)
     
  • NASDAQ

    12.561,00
    +263,75 (+2,14%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,9935
    +0,0337 (+0,48%)
     

Vacina AstraZeneca/Oxford tem 'eficácia semelhante' com variante inglesa da covid-19

·1 minuto de leitura
Frasco da vacina AstraZeneca/Oxford, em 29 de janeiro de 2021, em Colombo, Sri Lanka

A vacina da covid-19 desenvolvida pela Universidade de Oxford e pelo laboratório AstraZeneca tem uma "eficácia semelhante" contra a variante altamente contagiosa surgida na Inglaterra e presente agora em dezenas de países, afirmaram nesta sexta-feira (5) os pesquisadores do projeto.

Análise de ensaios clínicos realizados entre 1o de outubro e 14 de janeiro no Reino Unido mostraram "uma proteção semelhante contra as infecções sintomáticas, apesar de uma menor quantidade de anticorpos", afirmou a universidade britânica em um comunicado.

"A vacina não só protege contra o vírus original da pandemia, mas também protege contra a nova variante B117 que causou o ressurgimento da doença a partir do final de 2020 no Reino Unido", explicou o professor Andrew Pollard, chefe dos ensaios clínicos de Oxford.

No entanto, a universidade não proporcionou dados relacionados às variantes brasileira e sul-africana, que são motivo de preocupação pela sua possível resistência à imunização.

Nos últimos dias, as autoridades de saúde britânicas também expressaram preocupação com uma nova mutação da variante inglesa que apresenta semelhanças com a variante sul-africana.

O Reino Unido administra atualmente as vacinas AstraZeneca/Oxford e Pfizer/BioNTech, das quais receberam uma primeira dose quase 11 milhões dos 66 milhões de habitantes.

País mais castigado da Europa, com mais de 111.000 mortos, o Reino Unido está atualmente confinado pela terceira vez.

A vacina da AstraZeneca foi aprovada para uso por outros países e pela União Europeia. No entanto, alguns países preferiram recomendá-la apenas para os menores de 65 anos, devido aos poucos dados sobre pessoas idosas nos ensaios clínicos.

gmo-acc/mis/aa