Mercado abrirá em 5 h 13 min
  • BOVESPA

    111.539,80
    +1.204,97 (+1,09%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.682,19
    +897,61 (+2,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    59,98
    +0,23 (+0,38%)
     
  • OURO

    1.731,50
    -2,10 (-0,12%)
     
  • BTC-USD

    49.860,41
    +1.056,42 (+2,16%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.001,60
    +13,50 (+1,37%)
     
  • S&P500

    3.870,29
    -31,53 (-0,81%)
     
  • DOW JONES

    31.391,52
    -143,99 (-0,46%)
     
  • FTSE

    6.613,75
    +25,22 (+0,38%)
     
  • HANG SENG

    29.882,39
    +786,53 (+2,70%)
     
  • NIKKEI

    29.559,10
    +150,93 (+0,51%)
     
  • NASDAQ

    13.173,50
    +118,25 (+0,91%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,8759
    +0,0138 (+0,20%)
     

Vacina da AstraZeneca contra Covid-19 funciona contra variante do Reino Unido, diz Oxford

·1 minuto de leitura
Foto: AP Foto/Andre Penner
Foto: AP Foto/Andre Penner

A vacina contra Covid-19 da AstraZeneca e da Universidade de Oxford tem eficácia similar contra a variante britânica do coronavírus à registrada com as variantes circulando anteriormente, disse a universidade nesta sexta-feira (05).

A variante, inicialmente identificada em Kent, sul da Inglaterra, é mais transmissível, o que levou muitos países a restringirem viagens ao Reino Unido. Também levou a um pico de infecções que forçou um novo lockdown nacional na Inglaterra no mês passado.

Leia também:

O lockdown aconteceu no momento em que o Reino Unido começou a aplicar a vacina da AstraZeneca. Mais de 10 milhões de pessoas receberam a primeira dose das vacinas da AstraZeneca ou da Pfizer.

O Reino Unido afirmou que acredita que as vacinas são eficazes contra as variantes que estão circulando no país.

"Dados dos nossos testes da vacina ChAdOx1 no Reino Unido indicam que a vacina não apenas protege contra o vírus original da pandemia, mas também contra a nova variante, B.1.1.T, que causou um surto da doença desde o fim de 2020 no Reino Unido", afirmou Andrew Pollard, investigador-chefe dos testes da vacina de Oxford.

Sarah Gilbert, co-desenvolvedora da vacina, afirmou que, embora o imunizante tenha eficácia contra a variante britânica, ele pode precisar ser adaptado para futuras variantes.

***Por Alistair Smout, da Reuters