Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.800,79
    -3.874,54 (-3,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.868,32
    -766,28 (-1,48%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,81
    +0,19 (+0,26%)
     
  • OURO

    1.812,50
    -18,70 (-1,02%)
     
  • BTC-USD

    41.723,52
    +3.191,68 (+8,28%)
     
  • CMC Crypto 200

    955,03
    +5,13 (+0,54%)
     
  • S&P500

    4.395,26
    -23,89 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    34.935,47
    -149,06 (-0,42%)
     
  • FTSE

    7.032,30
    -46,12 (-0,65%)
     
  • HANG SENG

    25.961,03
    -354,29 (-1,35%)
     
  • NIKKEI

    27.283,59
    -498,83 (-1,80%)
     
  • NASDAQ

    14.966,50
    -71,25 (-0,47%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1880
    +0,1475 (+2,44%)
     

Vacina anticovid alemã CureVac é apenas 48% eficaz, de acordo com resultados finais

·1 minuto de leitura
Sede do laboratório CureVac em Tübingen, na Alemanha, 15 de dezembro de 2020

A vacina desenvolvida pelo laboratório alemão CureVac tem apenas 48% de eficácia contra a covid-19, nível muito inferior aos outros imunizantes por RNA mensageiro já aprovados, segundo os resultados completos de um ensaio clínico em larga escala, anunciou o laboratório nesta quarta-feira (30).

Nos participantes do ensaio, "o protótipo da vacina CVnCoV demonstrou uma eficácia geral de 48% (83 casos no grupo vacinado, 145 no grupo placebo) contra a doença covid-19, independentemente de sua gravidade", informou em comunicado o laboratório, que assinou um importante contrato com a União Europeia.

O resultado era previsível após a publicação em meados de junho de análises provisórias desencorajadoras de ensaios clínicos. O laboratório disse na época que era devido ao rápido surgimento de novas variantes.

O CureVac indica que o desempenho do produto é ligeiramente melhor na faixa etária de 18-60 anos, com uma eficácia de 53%.

Nesse grupo, o efeito protetor contra as formas moderadas e graves da doença chega a 77%, e é de 100% na prevenção de internações e óbitos, segundo o comunicado.

Mas “nos participantes com mais de 60 anos, que representam 9% dos casos estudados, os dados disponíveis não permitiram determinar a eficácia de forma estatisticamente clara”.

Apesar desses resultados, o CureVac diz estar convencido de que sua vacina "traz uma contribuição valiosa para a saúde pública, protegendo totalmente os participantes do estudo com idade entre 18 e 60 anos contra hospitalização ou morte, e com uma taxa de eficácia de 77% contra a progressão moderada e grave da doença", segundo o diretor executivo do laboratório, Franz-Werner Haas, citado no texto.

Resta agora à Agência Europeia de Medicamentos (EMA), que já está analisando o medicamento, dar ou não sua aprovação para comercialização.

smk/es/erl/am

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos