Mercado abrirá em 2 h 6 min
  • BOVESPA

    106.667,66
    +293,79 (+0,28%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.232,20
    -741,07 (-1,37%)
     
  • PETROLEO CRU

    86,69
    +1,26 (+1,47%)
     
  • OURO

    1.816,30
    +3,90 (+0,22%)
     
  • BTC-USD

    41.556,90
    -375,30 (-0,90%)
     
  • CMC Crypto 200

    986,00
    -23,39 (-2,32%)
     
  • S&P500

    4.577,11
    -85,74 (-1,84%)
     
  • DOW JONES

    35.368,47
    -543,34 (-1,51%)
     
  • FTSE

    7.562,42
    -1,13 (-0,01%)
     
  • HANG SENG

    24.127,85
    +15,07 (+0,06%)
     
  • NIKKEI

    27.467,23
    -790,02 (-2,80%)
     
  • NASDAQ

    15.227,00
    +21,00 (+0,14%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3149
    +0,0078 (+0,12%)
     

Vacinação intensa e medidas de proteção poderiam conter ômicron e 3ª onda no Brasil, diz infectologista

·1 min de leitura

Os primeiros casos da variante ômicron foram detectados no Brasil em um momento de estabilidade da pandemia no país e de relaxamento de medidas restritivas em vários estados. A infectologista Melissa Soares Medeiros acredita que com a manutenção de uma vacinação intensa da população, e de medidas de proteção, seja possível conter a variante ômicron e uma terceira onda da covid no Brasil.

Na Europa, países com uma taxa de vacinação superior à brasileira entraram, antes mesmo do aparecimento da ômicron, em uma nova onda grave de contaminações.

A médica Melissa Soares Medeiros, infectologista do Hospital São José das Doenças Infecciosas e do Hospital São Camilo de Fortaleza, no Ceará, diz que o Brasil “tem que olhar para o que está acontecendo lá fora e repensar as atitudes de manter realmente as medidas de controle”. Ela pede, por exemplo, que se evite grandes aglomerações e grandes eventos tradicionais de Réveillon neste fim de ano.

Campanha de vacinação

A campanha de vacinação brasileira começou mais tarde do que na Europa e nos Estados Unidos, mas a taxa de vacinação completa no Brasil é de 63%. Quase 8% da população já recebeu uma terceira dose de reforço.

“A gente não teve problemas com a delta e temos esperança que a ômicron não se mostre tão impactante agora porque a gente teve uma vacinação intensa, mas infelizmente tardia, levando à mortalidade de mais de 600 mil pessoas”, avalia.

Para ouvir a entrevista completa, clique na foto.


Leia mais

Leia também:
França confirma primeiro caso da variante ômicron da Covid-19
Covid-19: Ásia fecha fronteiras diante da ameaça da variante ômicron
França vai exigir teste negativo de Covid para viajantes de fora da UE, mesmo vacinados

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos