Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.441,03
    -635,14 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.286,46
    +400,13 (+0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,78
    +0,49 (+0,70%)
     
  • OURO

    1.879,50
    -16,90 (-0,89%)
     
  • BTC-USD

    35.913,88
    +345,26 (+0,97%)
     
  • CMC Crypto 200

    924,19
    -17,62 (-1,87%)
     
  • S&P500

    4.247,44
    +8,26 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.479,60
    +13,36 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.134,06
    +45,88 (+0,65%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,25 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    28.948,73
    -9,83 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    13.992,75
    +33,00 (+0,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1926
    +0,0391 (+0,64%)
     

Vacinação em estações de trem, metrô e ônibus tem início em São Paulo

·2 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A vacinação contra a Covid-19 começou a ser realizada nesta quinta-feira (13) em estações de metrô, trem e terminais de ônibus da zona leste da capital paulista.

A vacinação acontece das 9h30 às 17h. Na CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos), quatro estações são locais de imunização: Guaianases, da linha 11-Coral; São Miguel Paulista, Jardim Helena-Vila Mara e Itaim Paulista, as três da linha 12-Safira.

Os outros dois postos ficam na estação de metrô Corinthians-Itaquera, da linha 3-Vermelha, e no terminal São Mateus da EMTU (Empresa Municipal de Transportes Urbanos).

Na primeira manhã de imunização, a estação Guaianases contava com uma fila. Com frequência, pessoas que passavam pelo local e que não está não faziam parte do grupo prioritário questionavam os agentes de saúde se poderiam receber a vacina, o que era negado.

"Acho que foi mais rápido do que em um posto de saúde", afirmou o funcionário público Rosalvo Fonseca Filho, de 59 anos.

Fonseca trabalha na Subprefeitura de Guaianases, que fica em frente à estação da CPTM, local onde recebeu a primeira dose da vacina AstraZeneca. Por ser hipertenso, ele precisou apresentar uma receita médica que comprovasse a comorbidade.

O ferroviário Geraldo Valério de Souza Neto, 57, também foi vacinado na estação Guaianases e disse não ter esperado muito tempo, já que chegou cedo e era o segundo da fila. Ele trabalha na estação Aracaré da CPTM, em Itaquaquecetuba (Grande SP), e ficou sabendo da vacinação por um email da própria companhia de trem.

"Eu não via a hora de tomar. A vacina dá mais tranquilidade, mas vou continuar tendo cuidados", disse ele, que, por causa de sua ocupação, não parou de trabalhar em nenhum momento durante a pandemia.

No terminal São Mateus, da EMTU, a movimentação era mais tranquila e não havia filas na manhã do primeiro dia de imunização.

Aos 60 anos, o operador de máquinas Celso Aparecido Machado está na faixa etária cuja vacinação teve início há uma semana. Disse que planejava ir a uma unidade de saúde, mas acabou não conseguindo por causa da correria da rotina.

Nesta quinta, foi abordado por um agente de saúde no terminal São Mateus e tomou a primeira dose da AstraZeneca ali mesmo. "Foi excelente e evitou que eu precisasse ir até o posto. É um meio mais prático de se vacinar", comenta.

O atendimento nas estações de metrô, trem e ônibus é apenas para a aplicação da primeira dose do imunizante. Caso alguém esteja em busca do reforço, os agentes de saúde orientam procurar a UBS (Unidade Básica de Saúde) mais próxima.

A partir de segunda-feira (17), a vacinação contra a Covid-19 também estará disponível na linha 4-Amarela do metrô nas estações República, Pinheiros e Butantã.