Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.439,37
    -2.354,63 (-2,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.307,71
    -884,59 (-1,69%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,96
    -0,01 (-0,01%)
     
  • OURO

    1.753,90
    +2,50 (+0,14%)
     
  • BTC-USD

    47.702,99
    -239,37 (-0,50%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.193,48
    -32,05 (-2,61%)
     
  • S&P500

    4.432,99
    -40,76 (-0,91%)
     
  • DOW JONES

    34.584,88
    -166,42 (-0,48%)
     
  • FTSE

    6.963,64
    -63,84 (-0,91%)
     
  • HANG SENG

    24.920,76
    +252,96 (+1,03%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,75 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.282,75
    -43,25 (-0,28%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2008
    +0,0160 (+0,26%)
     

Vôlei de praia brasileiro tem pior desempenho em Olimpíadas e jejum no feminino completará, pelo menos, 28 anos

·3 minuto de leitura
Ana Patricia e Rebecca lamentam durante a derrota para a dupla suíça (Foto: Sean M. Haffey/Getty Images)
Ana Patricia e Rebecca lamentam durante a derrota para a dupla suíça (Foto: Sean M. Haffey/Getty Images)

Com a derrota de Ana Patricia e Rebecca no fim da noite desta terça-feira por 2-1 para a dupla suiça Joana Heidrich e Anouk Vergé-Dépré, o Brasil já tem, nos Jogos de Tóquio, a pior campanha da história do vôlei de praia em Olimpíadas. Além disso, como as duas duplas já foram eliminadas, o jejum de títulos no feminino completará, em Paris, pelo menos 28 anos.

Desde a estreia do vôlei de praias em Olimpíadas, nos Jogos de Atlanta, em 1996, o Brasil chegou ao pódio pelo menos duas vezes, entre homens e mulheres. Na Olimpíada de Tóquio, essa possibilidade não existe mais. No feminino, Agatha e Duda e Ana Patrícia e Rebecca já estão eliminadas. Assim como Bruno Schmidt e Evandro no masculino. Com isso, só há chance de medalha para a dupla formada por Alisson Mamute e Álvaro Filho.

Leia também:

E foi justamente quando a modalidade debutou em Olimpíadas, há 25 anos atrás, que o Brasil conquistou o primeiro e único ouro da história entre as mulheres. Foi com Jacqueline Silva e Sandra Pires, que venceram as brasileiras Adriana Samuel e Mônica Rodrigues na grande final. Desde então, nenhuma dupla brasileira feminina conseguiu chegar ao lugar mais alto do pódio.

Mesmo com o jejum, o Brasil é o país com mais medalhas no vôlei de praia. São treze ao todo (três ouros, sete pratas e três bronzes), entre homens e mulheres. Logo atrás, vem os Estados Unidos — que não por acaso são os inventores da modalidade — com dez (seis ouros, duas pratas e dois bronzes). Na terceira colocação, mas longe dos dois primeiros países, está a Alemanha, com três medalhas, sendo duas de ouro e uma de bronze.

Atlanta, 1996: Ouro e prata no feminino
Sidney, 2000: Prata e bronze no feminino, Prata no masculino
Atenas, 2004: Ouro no masculino, Prata no feminino
Pequim, 2008: Prata e bronze no masculino
Londres, 2012: Prata no masculino, Bronze no feminino
Rio, 2016: Ouro no masculino, Prata no feminino

Na noite desta segunda, Ana Patricia e Rebeca foram derrotadas por 2 a 1 para a dupla Heidrich e Vergé-Dépré. A partida começou tensa, com as suíças, especialmente Heidrich, abusando dos gritos a cada ponto, com direito a exclamações direcionadas às brasileiras, que em determinado momento aparentaram terem ficado desestabilizadas. O primeiro set foi vencido pelas europeias, por 21 a 19.

No segundo set, a dupla brasileira voltou melhor, especialmente Rebecca, que se desdobrava nas defesas e executava belas "largadinhas". Com a parcial de 21 a 18, levaram a partida ao tie break. No set decisivo, o jogo ficou equilibradíssimo na primeira metade, mas, na reta final, Ana Patrícia acumulou erros que custaram caro. E foi com um saque errado de Patrícia, que as suíças fecharam o jogo, com 15 a 12.

No final da partida, Ana Patrícia revelou que ficou doente na noite anterior, devido a uma queda de glicemia, que a fez desmaiar no colo de sua parceira. Rebecca disse que, apesar dos problemas, elas estavam felizes com o desempenho e já miram as próximas edições dos jogos. Sobre o comportamento hostil das suíças, disse que já era algo esperado.

— A questão de grito a gente já sabia, não me afeta em nada. Não entro na pilha. A Pati (Ana Patrícia) entra um pouco, mas consigo puxar ela. Sei que ela é explosiva. Mas é detalhe de jogo, adrenalina, aspecto emocional. Saio muito tranquila, acho que a gente deu nosso máximo — falou Rebecca.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos