Mercado abrirá em 1 h 28 min
  • BOVESPA

    108.843,74
    -2.595,62 (-2,33%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.557,65
    -750,06 (-1,46%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,16
    +0,87 (+1,24%)
     
  • OURO

    1.766,60
    +2,80 (+0,16%)
     
  • BTC-USD

    43.444,09
    -656,41 (-1,49%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.088,87
    -45,51 (-4,01%)
     
  • S&P500

    4.357,73
    -75,26 (-1,70%)
     
  • DOW JONES

    33.970,47
    -614,41 (-1,78%)
     
  • FTSE

    6.980,93
    +77,02 (+1,12%)
     
  • HANG SENG

    24.221,54
    +122,40 (+0,51%)
     
  • NIKKEI

    29.839,71
    -660,34 (-2,17%)
     
  • NASDAQ

    15.118,25
    +108,75 (+0,72%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2466
    +0,0019 (+0,03%)
     

Vôlei brasileiro se classifica às quartas de final com folga nas Olimpíadas

·3 minuto de leitura

TÓQUIO, JAPÃO (FOLHAPRESS) - As seleções feminina e masculina de vôlei garantiram vaga nas quartas de final dos Jogos de Tóquio com certa tranquilidade e boas atuações na Ariake Arena.

Sob comando do técnico José Roberto Guimarães, as mulheres não chegaram ao Japão entre as principais favoritas na briga pelo ouro, mas jogo a jogo ganharam motivos para se animar.

A equipe assumiu a liderança do Grupo A com vitória sobre a Sérvia por 3 a 1, parciais de 25/20, 25/16, 23/25 e 25/19. Logo sobre a rival considerada, pelo próprio Zé Roberto, como séria candidata ao ouro.

O técnico deixou a quadra animado com a atuação coletiva e também de sua oposta, Tandara, referência do elenco.

"A Tandara sabe que ficou devendo nos dois primeiros jogos. Contra a Sérvia, ela fez uma partida muito boa, esse é o nível que ela joga, chamando a responsabilidade e batendo bolas difíceis", disse o treinador.

A equipe brasileira fará o seu último duelo pela fase de grupos nesta segunda-feira (2), às 9h45 (de Brasília), contra a seleção do Quênia, lanterna da chave.

Outra boa notícia é a precoce eliminação da China. Atual campeã olímpica, fez campanha pífia e não tem chances matemáticas de avançar na competição.

No masculino, o Brasil se despediu da fase de grupos com uma vitória sobre a França por 3 sets a 2, parciais de 25/22, 37/39, 25/17, 21/25 e 20/18 na madrugada deste domingo (1º). O terceiro set, 39 a 37 para os franceses, teve duração de 51 minutos e foi o que mais teve pontos nos Jogos de Tóquio -e o segundo na história das Olimpíadas, atrás de Itália 40 x 38 Argentina em Sidney-2000.

A partida, com 249 pontos no total (128 dos brasileiros e 121 dos franceses), é a maior da história dos Jogos em pontuação. O recorde anterior era de 241 pontos, somados na vitória da Itália sobre a antiga Iugoslávia (19/25,25/19, 22/25,33/31,20/22), também nas Olimpíadas disputadas na Austrália.

"Foi um jogo mentalmente difícil, porque os franceses se defendem bem e cresceram no contra-ataque. Precisamos ver o que aconteceu de errado no quarto e quinto set para que isso não ocorra nas quartas de final", diz o central Lucão.

Para a equipe masculina há um espinho na carne o qual o técnico Renan Dal Zotto evita comentar: o time russo. O Brasil ganhou cinco dos seis confrontos pela fase de grupos, mas foi derrotado por 3 sets a 0 para a seleção europeia.

Em junho, o time brasileiro já havia perdido para os russos pelo mesmo placar, em Rimini (ITA), pela Liga das Nações.

Em Tóquio, os comandados de Renan tiveram dificuldades para passar pelo bloqueio e pela marcação dos europeus. Lucão, maior pontuador da seleção, colocou a bola no chão apenas nove vezes.

Ao analisar o desempenho do Brasil, o técnico enalteceu as vitórias do Brasil sobre os Estados Unidos (3 a 1) e a França. "Acabar [fase de grupos] com uma vitória assim demonstra crescimento, começamos as Olimpíadas vencendo com dificuldades, fizemos ótimos jogos contra os Estados Unidos e a França", diz. "É impressionante a qualidade técnica do time da França, de defesa."

E a Rússia, Renan?

"A Rússia [Comitê Olímpico Russo], não quero pensar por enquanto. Quero pensar no próximo jogo, sempre."

Rússia e Brasil, respectivamente, primeiro e segundo colocados do Grupo B, vão duelar contra os classificados do embolado Grupo A. O adversário e o horário não estavam definidos até a publicação deste texto.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos