Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.380,49
    -948,50 (-0,80%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.683,55
    -126,66 (-0,28%)
     
  • PETROLEO CRU

    51,98
    -1,15 (-2,16%)
     
  • OURO

    1.855,50
    -10,40 (-0,56%)
     
  • BTC-USD

    32.730,47
    +936,14 (+2,94%)
     
  • CMC Crypto 200

    651,44
    +41,45 (+6,79%)
     
  • S&P500

    3.841,47
    -11,60 (-0,30%)
     
  • DOW JONES

    30.996,98
    -179,03 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.695,07
    -20,35 (-0,30%)
     
  • HANG SENG

    29.447,85
    -479,91 (-1,60%)
     
  • NIKKEI

    28.631,45
    -125,41 (-0,44%)
     
  • NASDAQ

    13.355,25
    -40,25 (-0,30%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6542
    +0,1458 (+2,24%)
     

Vítimas de violência doméstica no Reino Unido ganham código para pedir ajuda em farmácias

·1 minuto de leitura
(Arquivo) Participam do programa 255 farmácias independentes e 2,3 mil lojas da gigante farmacêutica Boots

Farmácias britânicas lançaram nesta quinta-feira uma campanha para encorajar vítimas de violência doméstica a usarem um código para receber ajuda de funcionários.

"O programa 'Ask for Ani' (Pergunte por Ani) permitirá a pessoas em perigo ou vítimas de violência a informar de forma discreta que precisam de ajuda", explicou o governo em comunicado. A ação é dirigida especialmente às vítimas "isoladas em casa com seu abusador e impossibilitadas de obter ajuda de outra forma".

"Um farmacêutico qualificado irá proporcionar à vítima um espaço de conversa privado, para entender se a mesma precisa chamar a polícia ou obter ajuda da linha telefônica de atendimento a vítimas da violência de gênero", informa o texto. Participam do programa 255 farmácias independentes e 2,3 mil lojas da gigante farmacêutica Boots. As inscrições seguem abertas.

"No momento em que devemos pedir novamente a pessoas de todo o país que fiquem em casa para lutar contra o coronavírus, é essencial que tomemos medidas para proteger aqueles para quem o lar não é um espaço seguro", declarou o premier Boris Johnson, citado no texto.

Trabalhar em uma farmácia "não é apenas uma questão de medicamentos, e sim uma questão de pacientes", assinalou o presidente da associação nacional de farmácias, Mark Lyonette. "O mecanismo de alerta é uma forma discreta e sutil de ajudar algumas pessoas mais vulneráveis de nossa sociedade."

O governo pretende fazer uma campanha publicitária "focada e discreta" de quatro semanas de duração, principalmente nas redes sociais, para divulgar o código e "assegurar que as vítimas saibam como pedir ajuda".

Durante o primeiro confinamento no Reino Unido, uma em cada cinco denúncias registradas pela polícia na Inglaterra e no País de Gales referiu-se à violência de gênero, revelou o Escritório de Estatísticas Nacionais (ONS).

cdu-acc/eg/lb