Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.541,95
    -1.079,62 (-1,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.524,45
    -537,16 (-1,12%)
     
  • PETROLEO CRU

    106,28
    +0,52 (+0,49%)
     
  • OURO

    1.806,10
    -1,20 (-0,07%)
     
  • BTC-USD

    20.390,60
    +342,30 (+1,71%)
     
  • CMC Crypto 200

    436,24
    +4,77 (+1,11%)
     
  • S&P500

    3.785,38
    -33,45 (-0,88%)
     
  • DOW JONES

    30.775,43
    -253,88 (-0,82%)
     
  • FTSE

    7.169,28
    -143,04 (-1,96%)
     
  • HANG SENG

    21.859,79
    -137,10 (-0,62%)
     
  • NIKKEI

    26.188,62
    -204,42 (-0,77%)
     
  • NASDAQ

    11.499,00
    -30,50 (-0,26%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4973
    -0,0083 (-0,15%)
     

Vírus da varíola dos macacos é detectado em sêmen

Estudos no sêmen de diversos pacientes na Itália mostraram fragmentos do vírus da varíola dos macacos, o que alimenta as teorias de que a transmissão sexual da doença seja possível. O resultado foi divulgado por cientistas na última segunda-feira (13). Até o momento, o que se sabe com certeza é que o vírus se espalha pelo contato próximo, especialmente com as lesões da condição ou gotículas grandes do sistema respiratório.

As suspeitas quanto à transmissão sexual foram levantadas quando muitos casos do atual surto tiveram sua transmissão realizada entre parceiros sexuais: a atividade gera o tipo de contato necessário para a transmissão, como o de pele com pele. Pesquisadores, no entanto, decidiram investigar a transmissão mais a fundo.

Detectar o vírus no sêmen de pacientes é importante para entender todas as formas de infecção possíveis pelo patógeno (Imagem: CDC/Unsplash)
Detectar o vírus no sêmen de pacientes é importante para entender todas as possíveis formas de infecção (Imagem: CDC/Unsplash)

ISTs e varíola dos macacos

Infecções sexualmente transmissíveis (ISTs) como HIV/Aids, sífilis e clamídia são causadas por patógenos que infectam outras pessoas através do contato sexual, mais especificamente, pelo sêmen, secreções vaginais e outros fluidos corporais envolvidos no ato. O Instituto Spallanzani, hospital e centro de pesquisa em Roma, apresentou evidências do vírus da varíola dos macacos no sêmen de 4 pacientes no dia 2 de junho.

Seis de sete dos pacientes estudados no instituto tiveram o material genético do vírus detectado em seu sêmen, e em um deles, há a sugestão de que o patógeno era capaz de infectar outras pessoas e se replicar. Não há evidências o suficiente para determinar que o vírus tenha mutado o suficiente para evoluir o modo de transmissão, no entanto — e a varíola dos macacos, vale lembrar, não é considerada uma DST.

Mesmo assim, os cientistas do instituto reforçam que ter encontrado o vírus no sêmen de pacientes reforça a hipótese de que a transmissão sexual pode ser uma das maneiras com a qual o patógeno é transmitido, entrando no rol de comportamentos de risco para a infecção pela varíola dos macacos.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos