Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.523,47
    -1.617,17 (-1,47%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.049,05
    +174,14 (+0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,23
    -2,65 (-3,49%)
     
  • OURO

    1.877,70
    -53,10 (-2,75%)
     
  • BTC-USD

    23.462,29
    -57,22 (-0,24%)
     
  • CMC Crypto 200

    535,42
    -1,43 (-0,27%)
     
  • S&P500

    4.136,48
    -43,28 (-1,04%)
     
  • DOW JONES

    33.926,01
    -127,93 (-0,38%)
     
  • FTSE

    7.901,80
    +81,64 (+1,04%)
     
  • HANG SENG

    21.660,47
    -297,89 (-1,36%)
     
  • NIKKEI

    27.509,46
    +107,41 (+0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.616,50
    -230,25 (-1,79%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5385
    +0,0488 (+0,89%)
     

Vídeo resume 4 meses de atividades do Sol em apenas 2 minutos

Um novo vídeo da NASA mostra uma série de mudanças e fenômenos na superfície do Sol, monitorados ao longo de 133 dias pelos “olhos” do observatório Solar Dynamics (SDO). O vídeo foi comprimido, exibindo as mudanças do comportamento do nosso astro do dia 22 de agosto a 22 de dezembro do ano passado, em uma sequência com menos de 5 minutos de duração.

Enquanto acompanha o Sol e suas erupções, ejeções de massa coronal e outros fenômenos, o observatório Solar Dynamics registrou quatro meses de atividade do nosso astro. Depois, cientistas uniram as imagens em um vídeo de uma hora; ao ser comprimido novamente, os 133 dias do Sol foram comportados em uma animação de apenas dois minutos.

Veja:

Esta versão "apressada" do vídeo apresenta rapidamente os dados obtidos pelos três instrumentos do SDO, que capturam uma imagem a cada 0,75 segundos. Segundo a NASA, a sequência mostra imagens capturadas na luz ultravioleta extrema, com comprimentos de onda de apenas 17,1 nanômetros.

É possível observar os detalhes da coroa, a camada atmosférica mais externa do Sol, junto de processos do nosso astro: há áreas brilhantes, formadas por regiões ativas de plasma extremamente aquecido se movimentando pela superfície solar enquanto a estrela gira em seu próprio eixo.

As estruturas curvas, que se estendem acima das regiões brilhantes, são campos magnéticos que prenderam plasma quente e luminoso. “Estas regiões brilhantes são também a fonte das erupções solares, que aparecem como emissões brilhantes conforme os campos magnéticos se unem em um processo chamado ‘reconexão magnética’”, escreveu a NASA.

Já alguns dos “blecautes”, que ocorrem em alguns momentos do vídeo, foram causados por "eclipses" da Lua e da Terra, que passaram entre o SDO e o Sol; outros foram o resultado de problemas nos instrumentos ou nos dados. “As imagens onde o Sol sai do centro foram capturadas quando o SDO estava calibrando seus instrumentos”, explicou a agência espacial.

Abaixo, você confere o vídeo original publicado pela NASA, com uma hora de duração:

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: