Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.953,90
    +411,95 (+0,42%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.743,15
    +218,70 (+0,46%)
     
  • PETROLEO CRU

    108,46
    +2,70 (+2,55%)
     
  • OURO

    1.812,90
    +5,60 (+0,31%)
     
  • BTC-USD

    19.010,62
    -277,97 (-1,44%)
     
  • CMC Crypto 200

    420,84
    +0,70 (+0,17%)
     
  • S&P500

    3.825,33
    +39,95 (+1,06%)
     
  • DOW JONES

    31.097,26
    +321,83 (+1,05%)
     
  • FTSE

    7.168,65
    -0,63 (-0,01%)
     
  • HANG SENG

    21.859,79
    -137,10 (-0,62%)
     
  • NIKKEI

    25.935,62
    -457,42 (-1,73%)
     
  • NASDAQ

    11.610,50
    +81,00 (+0,70%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5587
    +0,0531 (+0,96%)
     

Vídeo mostra reação de brasileiro no espaço durante voo da Blue Origin

Seis turistas espaciais foram ao espaço suborbital com a Blue Origin neste sábado (4), com a missão NS-21 — entre eles, estava Victor Hespanha, engenheiro de produção que foi sorteado para integrar a tripulação após investir em um NFT (Non-Fungible Token). O voo durou aproximadamente 10 minutos, tempo suficiente para a tripulação curtir um pouco da sensação de ausência de peso.

A missão foi lançada das instalações de Launch Site One, no Texas, o mesmo local que abrigou outros lançamentos da Blue Origin. Eles viajaram a bordo do New Shepard, um sistema formado por propulsor e cápsula, que os levou a 107 km de altitude, além Linha de Kárman, fronteira internacionalmente conhecida como o "limite do espaço", que fica a 100 km.

Dois minutos e meio após o lançamento, a cápsula foi liberada do foguete. Após a separação o foguete retorna controladamente para o solo pousando na vertical, enquanto a cápsula segue uma trajetória em arco. A partir deste momento, Hespanha e os demais turistas espaciais puderam aproveitar para flutuar livremente em microgravidade pela cabine por alguns minutos, enquanto viam a Terra imersa na escuridão do espaço:

Algo parecido acontece com os aviões que voam em trajetórias parabólicas (em arcos): a cada subida, os aviões produzem uma força equivalente a quase o dobro da gravidade por alguns segundos. Depois, ao chegar no topo do arco e descer, os passageiros sentem a microgravidade, flutuando por breves instantes.

Além de Victor, a missão NS-21 levou também o piloto e engenheiro Evan Dick, diretor da empresa Action Aviation e Hamish Harding, piloto de jatos comerciais. Eles estavam acompanhados por Jaison Robinson, fundador da JJM Investments, Victor Vescovo, aventureiro e cofundador da Insight Equity, e pela engenheira Katya Echazarreta.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos