Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.439,37
    -2.354,91 (-2,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.307,71
    -884,62 (-1,69%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,96
    -0,65 (-0,90%)
     
  • OURO

    1.753,90
    -2,80 (-0,16%)
     
  • BTC-USD

    47.170,70
    -630,84 (-1,32%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.193,48
    -32,05 (-2,62%)
     
  • S&P500

    4.432,99
    -40,76 (-0,91%)
     
  • DOW JONES

    34.584,88
    -166,44 (-0,48%)
     
  • FTSE

    6.963,64
    -63,84 (-0,91%)
     
  • HANG SENG

    24.920,76
    +252,91 (+1,03%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,71 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.530,00
    +12,25 (+0,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1994
    +0,0146 (+0,24%)
     

Vídeo mostra que tardígrados sabem usar as pernas e andam como se fossem grandes

·3 minuto de leitura

Você já ouviu falar em tardígrados? Eles são criaturas microscópicas que podem ser encontradas principalmente em locais úmidos como florestas, poças, musgos, e até no quintal da nossa casa. Eles são conhecidos também como ursos-d'água e são os seres mais resistentes do mundo, sobrevivendo em condições extremas de calor, frio, e até mesmo expostos à radiação

Essas criaturas são extremamente minúsculas, podendo medir cerca de 0,5 milímetros de comprimento, e por isso os cientistas precisam analisá-las com a ajuda de equipamentos especiais. Em uma dessas investigações, eles descobriram que os tardígrados têm uma característica muito curiosa: eles andam como animais grandes. De acordo com um novo estudo, os tardígrados sabem usar muito bem suas oito patas, mesmo que sejam robustos e moles, sem qualquer tipo de estrutura esquelética. Jasmine Nirody, principal autora da pesquisa, disse que os bichos desenvolveram um "conjunto único e versátil de ferramentas locomotoras".

<em>Imagem: Reprodução/NPS/Diane Nelson</em>
Imagem: Reprodução/NPS/Diane Nelson

Criaturas microscópicas funcionam diferente em relação às maiores devido à física, como o estudo conta. Isso, porque forças viscosas e de inércia tornam as caminhadas pelo substrato (superfície) mais complicadas. Nirody faz uma analogia desse desafio, dizendo que se nós, humanos, caminharmos em uma superfície repleta de manteiga, por exemplo, que é espessa e viscosa, a tarefa seria muito complicada. "Portanto, podemos esperar que as estratégias ideais para os tardígrados sejam diferentes das de animais maiores. Até eu ando de forma diferente quando estou imersa em uma piscina do que na calçada", brinca a pesquisadora.

Nirody explica ainda que, quando caminhamos, geralmente empurramos o chão com as pernas e pés para pegarmos impulsos para a frente, e que isso acontece porque temos ossos rígidos que funcionam como uma espécie de mastro. E para aprender as estratégias dos tardígrados, os pesquisadores fizeram vídeos de um Hypsibius dujardini, e as imagens permitiram a contagem de passos e a análise da colocação dos pés na superfície enquanto se moviam.

Então, os cientistas descobriram que esses minúsculos invertebrados usam suas garras como ganchos, estendendo-as para se prender ao substrato e conseguir impulsionar seus corpos para frente. Para que a caminhada seja bem sucedida, no entanto, o substrato precisa ser rígido, para que não caia sobre eles. A marcha deles, inclusive, lembra a de insetos que medem 500 mil vezes mais que os tardígrados.

Veja o vídeo da caminhada:

A equipe de pesquisadores concluiu, portanto, que os tardígrados não caminham de forma desajeitada como imaginavam, mas sim bem coordenados. A líder da pesquisa diz que a forma de andar das criaturas faz sentido considerando sua capacidade de sobreviver em diversos lugares. "Você não vai tão longe sendo ruim na locomoção, o que é crucial para encontrar comida, companheiros, e tudo o que for mais importante para a sobrevivência", pontua Nirody.

Inspirando outros campos da ciência

Ainda não se sabe se os tardígrados e outros insetos conquistaram essa habilidade pela herança de algum ancestral ou se aconteceu de forma independente. O estudo, no entanto, traz novas visões sobre a evolução do caminhar desses seres com muitas pernas. A pesquisa também pode ajudar na micro-robótica e na nanotecnologia, com a criação de máquinas parecidas com a estrutura dos tardígrados para se movimentarem no corpo humano e realizarem procedimentos.

A pesquisa foi publicada na revista científica PNAS.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos