Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.316,16
    -1.861,39 (-1,63%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.774,91
    -389,10 (-0,71%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,38
    -1,63 (-2,01%)
     
  • OURO

    1.927,60
    -2,40 (-0,12%)
     
  • BTC-USD

    22.964,00
    +31,24 (+0,14%)
     
  • CMC Crypto 200

    526,66
    +9,65 (+1,87%)
     
  • S&P500

    4.070,56
    +10,13 (+0,25%)
     
  • DOW JONES

    33.978,08
    +28,67 (+0,08%)
     
  • FTSE

    7.765,15
    +4,04 (+0,05%)
     
  • HANG SENG

    22.688,90
    +122,12 (+0,54%)
     
  • NIKKEI

    27.382,56
    +19,81 (+0,07%)
     
  • NASDAQ

    12.221,00
    +114,25 (+0,94%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5462
    +0,0265 (+0,48%)
     

Vídeo mostra cores e formas de aurora boreal brilhante na Islândia

O estudante de física Vincent Ledvina, acompanhado por um grupo de amigos, decidiu viajar do Alasca à Islândia em busca de auroras boreais. A aventura valeu a pena: no dia 13 de janeiro, o grupo pôde conferir uma “explosão” de cores e luzes no céu formada por belas auroras boreais.

Ledvina compartilhou em seu perfil do Twitter algumas publicações com fotos e vídeos do show de luzes no céu. Em um, ele traz um vídeo em time-lapse, que mostra as mudanças do fenômeno no céu perto de Seljalandsfoss, na Islândia. “Foi incrível ver pessoalmente, a câmera não faz jus [à vista]”, disse.

Veja abaixo:

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Já em outra publicação, ele trouxe fotos que mostram uma aurora de formato curioso: conforme ocorria, a aurora das imagens parecia seguir uma espécie de trajetória em espiral no céu, enquanto brilha em tons de verde.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

As auroras acontecem quando as partículas eletricamente carregadas vindas do Sol viajam pela atmosfera superior da Terra, e são direcionadas para as regiões polares através do campo magnético do nosso planeta. No caso destas auroras, elas ocorreram alguns dias após explosões solares intensas de classe X, categoria que inclui as mais poderosas.

Já as cores delas vêm das interações entre as partículas delas e os gases da atmosfera terrestre, que acabam energizadas. O tom de verde, por exemplo, vem quando as partículas colidem com moléculas de oxigênio a até 300 km de altitude; quando este processo ocorre de 300 km a 400 km, as luzes produzidas são avermelhadas.

As auroras são inofensivas, mas elas sinalizam a ocorrência de atividade solar — e esta, se for muito intensa, pode afetar temporariamente a comunicação de rádio em nosso planeta, a operação de satélites, redes elétrica e mais. Por isso, a NASA e outras agências espaciais acompanham atentamente o comportamento do Sol.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: