Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.441,03
    -635,14 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.286,46
    +400,13 (+0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,78
    +0,49 (+0,70%)
     
  • OURO

    1.879,50
    -16,90 (-0,89%)
     
  • BTC-USD

    35.734,64
    -1.107,84 (-3,01%)
     
  • CMC Crypto 200

    924,19
    -17,62 (-1,87%)
     
  • S&P500

    4.247,44
    +8,26 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.479,60
    +13,36 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.134,06
    +45,88 (+0,65%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,25 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    28.948,73
    -9,83 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    13.992,75
    +33,00 (+0,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1926
    +0,0391 (+0,64%)
     

Uso de vapes pode levar ao tabagismo, segundo Inca

·3 minuto de leitura

Em muitas frentes, pesquisadores ainda avaliam os potenciais benefícios e os malefícios do uso de vapes em diferentes pesquisas. Nesse cenário, um recente estudo brasileiro identificou que o risco de iniciação ao tabagismo é significativamente maior entre usuários de cigarro eletrônico. Além disso, os cientistas do Instituto Nacional de Câncer (Inca) apontaram, no mesmo levantamento, que a liberação da comercialização desses dispositivos pode representar uma ameaça para as políticas de saúde pública no país.

“O estudo mostrou que o uso de cigarros eletrônicos aumentou em quase três vezes e meio ao risco de o indivíduo experimentar o cigarro convencional, e em mais de quatro o risco de passar a utilizar, posteriormente, cigarro convencional”, explica a coordenadora de Prevenção e Vigilância do Inca e epidemiologista, Liz Almeida.

“Isso mostra que o cigarro eletrônico oferece um grande risco de facilitar a iniciação do cigarro convencional, entre aqueles que nunca fumaram, contribuindo para a desaceleração da queda no número de fumantes no Brasil”, destaca Almeida, que é também uma das autoras da revisão sistemática sobre o assunto, publicada na revista Ciência e Saúde Coletiva.

Uso de vapes pode elevar o risco de tabagismo, aponta estudo (Imagem: Reprodução/TrendsetterImages/Envato Elements)
Uso de vapes pode elevar o risco de tabagismo, aponta estudo (Imagem: Reprodução/TrendsetterImages/Envato Elements)

"Além disso, o risco de iniciação ao tabagismo foi maior tanto em adultos quanto em menores de 18 anos que utilizaram cigarro eletrônico, sendo tal efeito persistente mesmo em estudos maiores e com seguimento mais longo", verificaram os autores do estudo, após as análises sobre o hábito dos e-cigs.

A pesquisa

Para avaliar a relação entre tabagismo e os e-cigs, os pesquisadores realizaram uma revisão sistemática com meta-análise (síntese estatística) de estudos longitudinais — uma técnica que permite aos pesquisadores estabelecer uma sequência coerente dos dados — em mais de 20 estudos desenvolvidos em vários países para avaliar a associação entre os dois hábitos. Em outras palavras, a equipe avaliou o conhecimento que já foi produzido sobre o tema e comparou os diferentes resultados obtidos, procurando padrões nas descobertas.

No final, a revisão dos pesquisadores do Inca analisou 22 estudos longitudinais, de diferentes países, o que totalizou 97,6 mil participantes da pesquisa para o desfecho de experimentação. Isso significa que para afirmar a relação direta entre o uso dos cigarros eletrônicos e a experimentação do cigarro convencional foi considerado o comportamento desse grupo de milhares de voluntários. Agora, no caso de pessoas que adortaram o hábito de fumar, após consumirem vapes, foram analisados 9 estudos, o que totalizou 33,7 mil participantes. Todas as publicações foram divulgadas entre os anos de 2016 e 2020.

Entenda a descoberta do Inca

Segundo Almeida, o início do uso do cigarro convencional, a partir do uso de um e-cig, pode ser explicado da seguinte forma: vapes podem conter nicotina; quando presente, a substância pode levar à dependência; a busca por mais nicotina pode ser solucionada com cigarros convencionais. "Além disso, a utilização do dispositivo eletrônico repete os comportamentos de uso do cigarro convencional, como os movimentos mão-boca, inalação e expiração”, o que pode, eventualmente, favorecer o consumo do cigarro convencional.

Vale lembrar que, segundo os autores da análise, o tabagismo é um fator de risco evitável e responsável por mortes, doenças e alto custo para o sistema de saúde, além da diminuição da qualidade de vida do cidadão e da sociedade. Outra questão é que não há um nível seguro de exposição ao tabagismo passivo, ou seja, daquelas pessoas que não fumam, mas inalam a fumaça produzida por fumantes.

Inicialmente, as descobertas foram compartilhadas em um webinar promovido pelo INCA e pela Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS). Para acessar o artigo completo sobre a relação dos cigarros eletrônicos com o maior risco de tabagismo, publicado na revista Ciência e Saúde Coletiva, clique aqui.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: