Mercado fechará em 5 h 45 min
  • BOVESPA

    129.336,28
    -177,34 (-0,14%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.530,05
    -28,27 (-0,06%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,59
    +0,29 (+0,40%)
     
  • OURO

    1.787,60
    +10,90 (+0,61%)
     
  • BTC-USD

    33.394,75
    -519,66 (-1,53%)
     
  • CMC Crypto 200

    800,97
    -41,67 (-4,95%)
     
  • S&P500

    4.277,96
    +11,47 (+0,27%)
     
  • DOW JONES

    34.423,66
    +226,84 (+0,66%)
     
  • FTSE

    7.128,36
    +18,39 (+0,26%)
     
  • HANG SENG

    29.288,22
    +405,76 (+1,40%)
     
  • NIKKEI

    29.066,18
    +190,95 (+0,66%)
     
  • NASDAQ

    14.353,00
    -1,25 (-0,01%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,8704
    +0,0081 (+0,14%)
     

Usinas já ensaiam novo aumento de preços de aços planos para junho, diz Inda

·1 minuto de leitura
Aço

Por Alberto Alerigi

SÃO PAULO (Reuters) - Os produtores de aços planos do Brasil estão avaliando um possível anúncio de novo reajuste de preços do material para distribuidores entre junho e julho, embora a cadeia já esteja encontrando dificuldades para repassar os últimos aumentos, afirmou nesta terça-feira o presidente da entidade que representa os comercializadores, Inda, Carlos Loureiro.

"Algumas usinas estão falando de maneira muito firme sobre novo aumento, como a CSN, as outras usinas estão estudando", disse Loureiro em apresentação a jornalistas. "A CSN está falando entre 5% e 10% (de reajuste)", acrescentou, comentando que o aumento pode ser dividido entre junho e julho.

Segundo ele, em maio, os preços de aços planos vendidos aos distribuidores subiram entre 10% e 18%, acumulando desde o início do ano aumentos de 50% a 52%.

"Os aumentos de maio foram totalmente implantados pelas usinas. Mas já está sendo bastante difícil para a rede (de distribuidores) repassar o aumento (aos clientes)", disse Loureiro.

Ele afirmou que a diferença de preços entre o material importado e o nacional, o chamado "prêmio", está na ordem de 5% a 6%, apesar dos sucessivos reajustes das usinas nos últimos meses, diante da continuidade da alta nos preços do aço nos mercados internacionais.

Em abril, os distribuidores tiveram alta de 5,4% nas vendas em relação a março, enquanto na comparação com um ano antes, quando o mercado estava paralisado pela primeira onda da pandemia, houve incremento 106,7%. A expectativa para maio é de queda de 5% nas vendas ante abril.

O setor terminou abril com estoque de 713,2 mil toneladas de aço plano, praticamente estável sobre o mês anterior. O volume é equivalente 2,1 meses de vendas, abaixo do considerado como ideal pelo Inda, de 2,5 meses.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos