Mercado abrirá em 6 h 23 min

Usinas do CS reduzem vendas de etanol em janeiro em 5,5%; importação soma 177,7 mi l

SÃO PAULO (Reuters) - As vendas de etanol pelas usinas do centro-sul do Brasil caíram 5,5% em janeiro na comparação anual, para 2,5 bilhões de litros, em momento de entressafra na principal região produtora do país, que também tem recebido volumes importados, apontou nesta quarta-feira a União da Indústria de Cana-de-açúcar (Unica).

No primeiro mês do ano, as usinas comercializaram 1,75 bilhão de litros de etanol hidratado (usado diretamente nos carros), o que representou uma queda anual de 4,3%, e venderam cerca de 735 milhões de litros de anidro (misturado à gasolina), com recuo de 6,3%.

O diretor técnico da Unica, Antonio de Padua Rodrigues, disse que tem ocorrido o "funcionamento natural do mercado, com preços direcionando as relações de oferta e demanda".

Mas ele ponderou que o consumo em janeiro deve ser melhor avaliado após a publicação dos dados de vendas de combustíveis pelas distribuidoras.

"As informações de vendas das unidades produtoras oferecem uma primeira indicação da dinâmica do mercado, mas é preciso avaliar o movimento de estoque no elo de distribuição ou mesmo de outros comercializadores ao longo da cadeia do etanol", comentou a associação.

Além da produção de etanol de milho e dos estoques nas usinas, a oferta do biocombustível na entressafra ganhou reforço da importação de 177,72 milhões de litros no mês de janeiro, disse a Unica, citando dados da Secretaria de Comércio Exterior.

Do total importado no mês, 95,76 milhões de litros foram registrados em portos do centro-sul.

Levantamento da Unica indica que nesta entressafra estão em operação na região duas unidades processadoras de cana-de-açúcar e outras dez produtoras de etanol a partir do milho, sendo três dedicadas exclusivamente a esta matéria-prima.

O etanol produzido a partir do milho representou 94% da fabricação do biocombustível na 2ª quinzena de janeiro, totalizando 95,37 milhões de litros no período, disse a Unica.


(Por Roberto Samora)