Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.880,82
    +1.174,91 (+0,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.219,26
    +389,95 (+0,80%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,51
    +1,69 (+2,65%)
     
  • OURO

    1.844,00
    +20,00 (+1,10%)
     
  • BTC-USD

    48.982,06
    +128,74 (+0,26%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,33
    +39,77 (+2,93%)
     
  • S&P500

    4.173,85
    +61,35 (+1,49%)
     
  • DOW JONES

    34.382,13
    +360,68 (+1,06%)
     
  • FTSE

    7.043,61
    +80,28 (+1,15%)
     
  • HANG SENG

    28.027,57
    +308,90 (+1,11%)
     
  • NIKKEI

    28.084,47
    +636,46 (+2,32%)
     
  • NASDAQ

    13.398,00
    +297,75 (+2,27%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4040
    -0,0085 (-0,13%)
     

USDA vê queda de 3% na produção de cana do Brasil em 2021/22 por tempo seco

·2 minuto de leitura
Produção de açúcar

(Reuters) - A produção de cana-de-açúcar do Brasil deverá atingir 635 milhões de toneladas na temporada 2021/22, queda de 3% na comparação anual, disse nesta terça-feira o serviço do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA, na sigla em inglês) em São Paulo, citando uma redução de potencial causada pelo tempo seco.

Segundo a agência norte-americana, o centro-sul, principal região produtora de cana do Brasil, deve verificar um recuo de 25 milhões de toneladas em relação à safra anterior, com uma colheita de 580 milhões de toneladas.

"O tempo seco que prevaleceu entre agosto e outubro de 2020 danificou os canaviais, reduzindo o potencial produtivo. Focos de incêndios também afetaram os estoques de cana", afirmou o USDA no relatório.

O departamento estimou a produção de açúcar do Brasil, maior fabricante global do adoçante, em 39,92 milhões de toneladas em 2021/22, queda de 5% no ano a ano, devido à redução no volume de moagem.

No centro-sul, a produção deve alcançar 36,87 milhões de toneladas, queda de 2,03 milhões de toneladas em relação à safra anterior.

Apesar da menor produção total, o USDA espera que o Brasil exporte um recorde de 32,15 milhões de toneladas de açúcar na temporada, o que representa cerca de 50% dos embarques globais, diante de preços favoráveis.

"Os preços do açúcar se recuperaram desde março de 2020 e permaneceram muito mais atrativos que os do etanol. Dessa forma, as usinas devem continuar focando na produção de açúcar, e o 'mix' entre açúcar e etanol deverá ser similar ao da temporada anterior", disse a agência.

A produção de etanol de cana em 2021/22 no Brasil foi estimada em cerca de 28 bilhões de litros, uma redução de 2 bilhões de litros frente a 2020/21, acrescentou o USDA.

(Reportagem de Marcelo Teixeira, em Nova York)