Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.750,22
    +1.458,62 (+1,30%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    43.646,03
    -288,18 (-0,66%)
     
  • PETROLEO CRU

    46,09
    +0,45 (+0,99%)
     
  • OURO

    1.842,00
    +0,90 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    19.083,38
    +35,09 (+0,18%)
     
  • CMC Crypto 200

    365,19
    -14,05 (-3,71%)
     
  • S&P500

    3.699,12
    +32,40 (+0,88%)
     
  • DOW JONES

    30.218,26
    +248,74 (+0,83%)
     
  • FTSE

    6.550,23
    +59,96 (+0,92%)
     
  • HANG SENG

    26.835,92
    +107,42 (+0,40%)
     
  • NIKKEI

    26.751,24
    -58,13 (-0,22%)
     
  • NASDAQ

    12.509,25
    +47,00 (+0,38%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2497
    +0,0137 (+0,22%)
     

USDA confirma atípica exportação de soja dos EUA ao Brasil

·2 minuto de leitura

(Reuters) - O Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) confirmou nesta quinta-feira uma atípica venda de soja norte-americana ao Brasil, país que é o maior produtor e exportador global da oleaginosa, mas que lida com altos preços e baixa oferta após fortes vendas externas ao longo do ano.

Os EUA, rivais do Brasil no mercado global, venderam 30 mil toneladas aos brasileiros, conforme relato semanal de venda do USDA.

Mais cedo nesta semana, a Reuters havia reportado embarque de 38 mil toneladas de soja dos EUA ao Brasil com base em informação de uma agência marítima, que apontou o carregamento a partir a Louisiana.

O volume citado representa a maior transação do tipo desde 1997, quando o Brasil importou mais de 600 mil toneladas da oleaginosa norte-americana, segundo dados do governo dos EUA.

As exportações norte-americanas ocorreram após o governo brasileiro ter zerado no mês passado a tarifa de importação de soja e milho de fora do Mercosul, como forma de ajudar o país a lidar com preços recordes da oleaginosa no Brasil, depois de o câmbio ter impulsionado os embarques brasileiros, especialmente para a China.

O mercado de Chicago, referência global, está reagindo à demanda chinesa e também a preocupações sobre o clima na América do Sul, cuja safra está sendo plantada.

Nesta quinta-feira, os contratos futuros da soja alcançaram uma marca acima de 11 dólares por bushel pela primeira vez em mais de quatro anos.

O embarque de soja dos EUA ao Brasil foi realizado apesar de incertezas relacionadas a transgênicos, algo que vem sendo citado por analistas brasileiros.

Nem todas as variedades aprovadas nos Estados Unidos estão aprovadas no Brasil.

Procurado desde a semana passada para comentar a questão dos transgênicos, o Ministério da Agricultura não se manifestou.

(Por Roberto Samora)