Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.801,21
    -1.775,35 (-1,44%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.195,43
    -438,48 (-0,85%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,05
    -0,10 (-0,15%)
     
  • OURO

    1.814,50
    0,00 (0,00%)
     
  • BTC-USD

    39.799,30
    +1.357,82 (+3,53%)
     
  • CMC Crypto 200

    977,06
    +50,30 (+5,43%)
     
  • S&P500

    4.402,66
    -20,49 (-0,46%)
     
  • DOW JONES

    34.792,67
    -323,73 (-0,92%)
     
  • FTSE

    7.123,86
    +18,14 (+0,26%)
     
  • HANG SENG

    26.426,55
    +231,73 (+0,88%)
     
  • NIKKEI

    27.584,08
    -57,75 (-0,21%)
     
  • NASDAQ

    15.080,25
    +6,75 (+0,04%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1183
    0,0000 (0,00%)
     

Uruguai sacode tabuleiro do Mercosul e buscará negociações comerciais fora do bloco

·4 minuto de leitura

O Uruguai comunicou nesta quarta-feira a seus parceiros no Mercosul que começará a buscar acordos comerciais com outros países, o que, até o momento, requeria um consenso entre os membros. A decisão sacode o bloco, antes da reunião de cúpula presidencial de amanhã.

"Ao mesmo tempo que reivindicou seu pertencimento ao Mercosul, o Uruguai comunicou que começará a conversar com outros países para negociar acordos comerciais fora da região", informou o Ministério das Relações Exteriores uruguaio, após a reunião ordinária do Conselho do Mercado Comum do bloco.

O governo do Uruguai "entende que a decisão 32/00 (ndr: do ano 2000) não está em vigor", assinalou o ministério, referindo-se ao compromisso dos Estados de negociar acordos comerciais com outros países ou blocos apenas em conjunto ou após autorização dos demais membros do Mercosul.

A chancelaria também mencionou que na reunião virtual entre os membros - Brasil, Argentina, Paraguai, Uruguai e Bolívia (Estado associado) - "não foi aprovada a redução da tarifa externa comum, apesar de o Uruguai ter apoiado algumas das propostas apresentadas sobre o assunto, as quais sempre foram entendidas como parte de um mesmo pacote com a flexibilização" das negociações com terceiros.

O anúncio cai como uma bomba na véspera da reunião semestral ordinária de chefes de Estado do Mercosul, na qual a Argentina passará a presidência rotativa do bloco para o Brasil.

- Brasil, um aliado -

Tanto a redução da tarifa externa comum quanto uma flexibilização que permita o fechamento de acordos comerciais sem um consenso entre os integrantes são assuntos que dividem o bloco, fundado em 1991.

O Uruguai tem sido o principal defensor de uma abertura para negociar com terceiros há quase duas décadas, mas com pouco eco. Nos últimos tempos, o Brasil se mostrou inclinado a acompanhar a posição de Montevidéu, enquanto a Argentina aparece como um opositor ferrenho.

“Com essa declaração, o Uruguai está dizendo: 'não posso voltar a aceitar um 'não' como resposta', porque há muito tempo temos um 'não' da Argentina cada vez que esse tema é levantado", indicou à AFP Ignacio Bartesaghi, diretor do Instituto de Negócios Internacionais da Universidade Católica do Uruguai. “A diferença é que agora temos o apoio do Brasil nessa definição.”

Por isso, para esse especialista em Relações Internacionais, não foi por acaso que o Uruguai divulgou esse comunicado um dia antes de a presidência do bloco cair nas mãos do governo de Jair Bolsonaro. "Ele está dizendo, antes de uma reunião presidencial e antes dos seis meses de presidência do Brasil, que será seu aliado. O Uruguai tem esses seis meses para conseguir essa flexibilização."

Bartesaghi entende que, com essa declaração, "o Uruguai deixa a relação o mais tensa possível, mas não busca romper a corda". “Não busca deixar o bloco, e sim envia uma mensagem de que fará de tudo nos próximo seis meses para alcançar seu objetivo”, que consiste basicamente em negociações comerciais com a China, explicou.

O especialista considera "razoável pensar, no entanto, que a reunião de amanhã terá um tom melhor". O Uruguai deve "buscar caminhos intermediários" e conseguir uma declaração conjunta que lhe permita negociar de forma bilateral.

No Brasil, a Confederação Nacional da Indústria (CNI) assinalou hoje que "a decisão unilateral do Uruguai não ajuda no avanço do bloco". Já o vice-ministro de Relações Econômicas e Integração do Paraguai, Raúl Cano, avaliou que o anúncio uruguaio deixa o Mercosul em situação difícil.

“É uma situação delicada para o Mercosul. É uma decisão intempestiva e inoportuna, como foi dito na reunião de chanceleres desta quarta-feira”, afirmou Cano, assinalando que “as decisões dos órgãos do Mercosul são tomadas por consenso e com a presença de todos os Estados”, após relembrar o artigo 37 do Tratado de Assunção, que deu forma ao bloco.

A questão agora é como a Argentina reagirá à declaração uruguaia, especialmente depois do tenso embate que tiveram sobre o assunto os presidentes Luis Lacalle Pou e Alberto Fernández na reunião de cúpula de 26 de março. Se a Argentina não der o braço a torcer, "terá início um processo de deterioração total do Mercosul", afirmou Bartesaghi.

Criado há 30 anos, o bloco reúne mais de 300 milhões de habitantes e é a quinta maior economia do mundo, segundo o Fundo Monetário Internacional (FMI), com um território de mais de 14 milhões de km².

gv/mr/lb

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos