Mercado abrirá em 3 h 24 min
  • BOVESPA

    111.716,00
    -2.354,00 (-2,06%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.395,94
    -928,96 (-2,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,18
    -0,56 (-0,71%)
     
  • OURO

    1.652,50
    -3,10 (-0,19%)
     
  • BTC-USD

    19.180,13
    +100,98 (+0,53%)
     
  • CMC Crypto 200

    439,19
    -5,35 (-1,20%)
     
  • S&P500

    3.693,23
    -64,76 (-1,72%)
     
  • DOW JONES

    29.590,41
    -486,29 (-1,62%)
     
  • FTSE

    7.004,51
    -14,09 (-0,20%)
     
  • HANG SENG

    17.855,14
    -78,13 (-0,44%)
     
  • NIKKEI

    26.431,55
    -722,28 (-2,66%)
     
  • NASDAQ

    11.335,50
    -41,25 (-0,36%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,0738
    -0,0238 (-0,47%)
     

Universidade do Texas remove estátuas de supremacistas brancos de campus

Por Alex Dobuzinskis (Reuters) - A Universidade do Texas de Austin removeu quatro estátuas ligadas aos confederados de seu campus nesta segunda-feira, dizendo que elas se tornaram símbolos da supremacia branca em um momento de protestos e debate acalorado sobre raça e o legado da Guerra Civil norte-americana. No início deste mês, nacionalistas brancos fizeram uma manifestação contra propostas de retirar uma estátua semelhante em Charlottesville, na Virgínia, e uma mulher morreu atropelada quando um homem lançou seu carro contra uma multidão de manifestantes antirracismo. Os episódios de violência desencadearam a maior crise doméstica até agora para o presidente Donald Trump, que causou revolta em todo o espectro político por não condenar de imediato os nacionalistas brancos e por elogiar "pessoas muito boas" dos dois lados da luta. O presidente da Universidade do Texas de Austin, Greg Fenves, disse que as "mostras horríveis de ódio" vistas na Virgínia chocaram e entristeceram a nação. "Estes eventos deixam claro, agora mais claro do que nunca, que os monumentos aos confederados se tornaram símbolos da supremacia branca e do neonazismo", disse Fenves em um comunicado no domingo. Um grande número de líderes políticos dos EUA pediram a retirada de estátuas em homenagem à Confederação. Ativistas de direitos civis alegam que elas promovem o racismo, enquanto defensores das imagens argumentam que elas são uma lembrança de sua herança. Em Baltimore, autoridades investigavam nesta segunda-feira relatos de vandalismo de um monumento de 225 anos ao explorador Cristóvão Colombo, disse um porta-voz da polícia. Um vídeo publicado na internet parece mostrar duas figuras encapuzadas golpeando a base do obelisco com uma marreta depois de colarem a ele um cartaz que dizia: "O futuro é a justiça racial e econômica". Baltimore removeu quatro monumentos aos confederados na semana passada. Existem cerca de 700 deles em praças púbicas de todo o país, de acordo com o Southern Poverty Law Center, e a maioria foi erguida no início do século 20 em meio a uma reação de segregacionistas contra o movimento de direitos civis. Entre as quatro estátuas retiradas durante essa madrugada na Universidade de Austin estava uma do general Robert E. Lee, que liderou o Exército Confederado pró-escravatura durante a Guerra Civil. Fenves disse que ela será colocada no Centro Briscoe de História Americana e disponibilizada para estudos acadêmicos. O prefeito de Austin, Steve Adler, disse no Twitter nesta segunda-feira: "Colocar estas estátuas em um museu de história coloca isto adequadamente no passado, que é seu lugar."