Mercado abrirá em 8 h 52 min
  • BOVESPA

    108.714,55
    +2.418,37 (+2,28%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.833,80
    -55,86 (-0,11%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,95
    +0,19 (+0,23%)
     
  • OURO

    1.806,30
    -0,50 (-0,03%)
     
  • BTC-USD

    62.677,50
    +601,34 (+0,97%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.507,31
    +1.264,63 (+521,11%)
     
  • S&P500

    4.566,48
    +21,58 (+0,47%)
     
  • DOW JONES

    35.741,15
    +64,13 (+0,18%)
     
  • FTSE

    7.222,82
    +18,27 (+0,25%)
     
  • HANG SENG

    26.090,27
    -41,76 (-0,16%)
     
  • NIKKEI

    29.100,57
    +500,16 (+1,75%)
     
  • NASDAQ

    15.575,50
    +79,75 (+0,51%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4294
    -0,0069 (-0,11%)
     

United Airlines vai demitir 600 funcionários que recusaram vacina

·1 minuto de leitura
Representantes sindicalistas se opuseram à decisão. Foto: Getty Images.
Representantes sindicalistas se opuseram à decisão. Foto: Getty Images.
  • 99% dos seus empregados já estão vacinados

  • Trabalhadores que mudarem de ideia serem mantidos

  • Representantes sindicalistas se opuseram à decisão

A companhia norte-americana United Airlines divulgou ontem (29) a demissão de quase 600 funcionários por terem se recusado a participar da vacinação contra a Covid-19. De acordo com a empresa, 99% dos seus mais de 67 mil trabalhadores já estão vacinados.

Desde agosto, a United Airlines tem exigido que seu quadro de funcionários se vacine, sendo uma das primeiras grandes empresas a fazê-lo. Em um comunicado enviado à equipe na última terça-feira (28), o presidente da empresa Brett Hart e o executivo Scott Kirby afirmaram que a decisão foi “incrivelmente difícil, mas manter nossa equipe segura sempre foi nossa prioridade".

Leia também:

Ontem, uma porta-voz da United Airlines revelou que o processo de desligamento dos 593 empregados já havia sido iniciado. Sem divulgar o prazo para que as demissões sejam concluídas, a assessora disse que a empresa vai colaborar com “as pessoas que, durante esse processo, decidirem se vacinar”. A companhia disse que, por motivos médicos ou religiosos, os funcionários não imunizados podem pedir isenção da vacinação.

Por outro lado, forças trabalhistas se opuseram à decisão da United. Com a demissão de cerca de 100 comissários de bordo e quase 350 trabalhadores dos setores de atendimento e serviços de bagagem, o sindicalista Michael Klemm disse que “planejamos, por meio de um acordo coletivo de trabalho, enfrentar esse processo”.

As informações são do The New York Times.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos