Mercado fechado
  • BOVESPA

    126.285,59
    +1.673,56 (+1,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.344,11
    +433,58 (+0,85%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,43
    +0,04 (+0,06%)
     
  • OURO

    1.807,70
    +8,00 (+0,44%)
     
  • BTC-USD

    39.803,16
    +779,20 (+2,00%)
     
  • CMC Crypto 200

    938,33
    +8,40 (+0,90%)
     
  • S&P500

    4.400,64
    -0,82 (-0,02%)
     
  • DOW JONES

    34.930,93
    -127,59 (-0,36%)
     
  • FTSE

    7.016,63
    +20,55 (+0,29%)
     
  • HANG SENG

    25.473,88
    +387,45 (+1,54%)
     
  • NIKKEI

    27.581,66
    -388,56 (-1,39%)
     
  • NASDAQ

    14.986,50
    -25,00 (-0,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0596
    +0,0011 (+0,02%)
     

United Airlines aposta no retorno dos voos e faz grande encomenda 270 aviões

·3 minuto de leitura
Avião da United Airlines no aeroporto internacional de Dulles, Virgínia, Estados Unidos, em 2 de março de 2021

A United Airlines anunciou nesta terça-feira (29) uma nova encomenda de 270 aviões Boeing e Airbus, na maior aposta até o momento de uma companhia aérea na recuperação do transporte aéreo depois da pandemia de covid-19.

O pedido da companhia americana representa uma compra de 35,38 bilhões de dólares no preço de catálogo das aeronaves, mas, geralmente, as empresas pagam menos do que o valor teórico.

Os executivos da United descreveram o pedido - o maior da história da empresa - como um marco que simboliza os avanços na perspectiva do transporte aéreo com a distribuição de vacinas anticovid.

Apesar do otimismo, a United Airlines e outras companhias aéreas se encaminham novamente para resultados negativos no segundo trimestre, reflexo da continuidade da crise no setor de viagens.

O volume de viagens de negócios da United permanece em queda de 60% e a redução nos voos internacionais é ainda mais expressiva, afirmou o diretor-executivo da empresa, Scott Kirby.

"Não estamos 100% de volta", disse Kirby em uma teleconferência com jornalistas.

"Traçar a trajetória da crise em março e abril do ano passado nos permitiu estar preparados e tomar os caminhos corretos de curto e longo prazo", acrescentou.

Os representantes da United não foram questionados sobre a variante Delta do coronavírus, que está se propagando em várias partes do mundo, mas o anúncio ilustra a grande confiança nas perspectivas do setor, mesmo se persistir a pandemia.

- Aposta nos voos domésticos -

A grande fatia da compra será de 150 exemplares do Boeing 737 MAX 10, que continua sendo objeto de testes em um processo seguido de perto pelas autoridades americanas.

O anúncio é um sucesso para o avião da Boeing, que foi obrigado a permanecer em terra por 20 meses após dois acidentes fatais.

O restante do pedido inclui 50 unidades do Boeing 737 MAX 8 e 70 Airbus 70 A321neo, o grande sucesso de vendas da fabricante europeia no segmento de aviões de apenas um corredor com mais de 200 assentos.

Com este pedido, a empresa americana aumenta a lista de aquisições a mais de 500 aeronaves: 40 serão entregues em 2022, 138 em 2023 e mais de 350 em 2024 e nos anos seguintes.

Os três modelos são aeronaves estreitas, o que as tornam adequadas para viagens domésticas e de curta distância, setor que foi um dos primeiros a retomar a recuperação na pandemia de covid.

"Estamos realmente honrados com a confiança da United Airlines na Boeing e nos aviões que projetamos e construímos todos os dias", declarou o presidente e diretor-executivo da Boeing Commercial Airplanes, Stan Deal.

"Um pedido tão importante de uma grande companhia como a United destaca que o A321neo oferece capacidades inigualáveis, eficiência operacional e facilidade de uso para o passageiro", afirmou o diretor comercial da Airbus, Christian Scherer.

Tanto o modelo da Airbus como os novos 737 MAX são versões maiores do mesmo avião, o que permitiria aumentar a capacidade em Nova York, San Francisco e outros mercados onde ampliar o número de voos é difícil, ou impossível, informaram fontes da United.

A recuperação dos voos de negócios "deve acelerar no outono (hemisfério norte, primavera no Brasil), com o retorno das crianças à escola", afirmou Kirby.

Os voos internacionais permanecem em queda, mas, em 2022, "podemos ver recordes de voos transatlânticos", prevê.

jum/iba/rsr/mis/fp/tt

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos