Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.748,18
    -3.927,15 (-3,12%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.937,88
    -696,72 (-1,35%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,85
    +0,23 (+0,31%)
     
  • OURO

    1.817,50
    -18,30 (-1,00%)
     
  • BTC-USD

    39.549,89
    -193,51 (-0,49%)
     
  • CMC Crypto 200

    938,38
    -11,52 (-1,21%)
     
  • S&P500

    4.395,57
    -23,58 (-0,53%)
     
  • DOW JONES

    34.936,09
    -148,44 (-0,42%)
     
  • FTSE

    7.032,30
    -46,12 (-0,65%)
     
  • HANG SENG

    25.961,03
    -354,29 (-1,35%)
     
  • NIKKEI

    27.283,59
    -498,83 (-1,80%)
     
  • NASDAQ

    14.944,25
    -93,50 (-0,62%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1739
    +0,1334 (+2,21%)
     

Unitaid faz acordos para expandir acesso de países pobres a oxigênio medicinal

·2 minuto de leitura
Parentes de pacientes com covid-19 fazem fila para reabastecer tanques de oxigênio na Bolívia, em 5 de junho de 2021

A organização internacional Unitaid, que arrecada fundos para combater doenças, anunciou nesta terça-feira (15) que assinou acordos com os principais fornecedores de oxigênio medicinal, a francesa Air Liquide e a alemã Linde, para ampliar o acesso dos países pobres durante a pandemia.

“Saudamos o compromisso da Air Liquide e da Linde. É a primeira vez que se chega a um acordo desse tipo para promover o acesso equitativo ao oxigênio, medicamento essencial para salvar vidas”, disse o diretor executivo da Unitaid, Philippe Duneton.

Diante da escassez de oxigênio - vital para salvar alguns pacientes com covid-19 -, observa-se filas de espera em hospitais na Venezuela e na Bolívia, especulação de preços no Peru, um mercado clandestino no Brasil e outras situações dramáticas em vários países.

"De acordo com as últimas estimativas, cerca de um milhão de pessoas gravemente afetadas pela covid-19 em países de baixa ou média renda precisam de 2,2 milhões de tanques de oxigênio (15,1 milhões de metros cúbicos) por dia", explicou Hervé Verhoosel, porta-voz da Unitaid, à em uma coletiva de imprensa em Genebra.

Para enfrentar este cenário, a Unitaid e seus parceiros discutem há meses com os principais fornecedores de oxigênio do mundo, no âmbito do mecanismo internacional Acelerador ACT, encarregado de acelerar o acesso às ferramentas de combate ao novo coronavírus.

Com os acordos firmados, as empresas Air Liquide e Linde comprometeram-se "a trabalhar com os parceiros globais de saúde associados ao Acelerador ACT para favorecer o acesso equitativo ao oxigênio em uma série de países prioritários, de forma a responder às necessidades urgentes geradas pela pandemia", detalhou Verhoosel.

Segundo a Unitaid, “esta colaboração inédita com a indústria” visa superar alguns obstáculos, como a instabilidade das promessas de financiamento e as lacunas em termos de infraestrutura, que limitam a disponibilidade do oxigênio medicinal.

Como parte da iniciativa, a Unitaid e seus parceiros buscarão mobilizar recursos para financiar o armazenamento de oxigênio medicinal e a infraestrutura necessária ao mesmo, o que, estima, exigirá 400 milhões de dólares.

"Se não melhorarmos significativamente o suprimento de oxigênio, veremos o número de vítimas da covid-19 aumentar ainda mais rápido", alertou o enviado especial da Organização Mundial da Saúde (OMS) para o Acelerador ACT, Carl Bildt.

apo/vog/LyS/mis/mb/ic/mvv

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos