Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.923,93
    +998,33 (+0,90%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.234,37
    -223,18 (-0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,34
    -0,88 (-1,08%)
     
  • OURO

    1.797,30
    -3,80 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    16.976,48
    -58,15 (-0,34%)
     
  • CMC Crypto 200

    404,33
    +2,91 (+0,72%)
     
  • S&P500

    4.071,70
    -4,87 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    34.429,88
    +34,87 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.556,23
    -2,26 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    18.675,35
    -61,09 (-0,33%)
     
  • NIKKEI

    27.777,90
    -448,18 (-1,59%)
     
  • NASDAQ

    11.979,00
    -83,75 (-0,69%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4940
    +0,0286 (+0,52%)
     

Unilever vê Europa com pessimismo, aumenta preços em 23% na América Latina no 3º tri

Por Richa Naidu

LONDRES (Reuters) - A Unilever divulgou nesta quinta-feira uma fraca perspectiva sobre a confiança dos consumidores na Europa e China, dois de seus principais mercados, mas elevou a previsão de vendas no ano depois de promover fortes aumentos de preços em seus produtos.

"A confiança dos consumidores na Europa está no momento mais baixo em muito tempo", disse o vice-presidente financeiro, Graeme Pitkethly, a jornalistas. Ele alertou sobre "confluência de eventos" na Europa na forma de alta dos preços da energia, inflação crescente e redução de poupança.

Consumidores ao redor do mundo pagaram 12,5% mais por produtos da Unilever no trimestre, um aumento recorde para a empresa que viu as vendas em volume recuarem 1,6%.

A América Latina foi a região onde os aumentos de preços da Unilever foram mais intensos, da ordem de 23,2%, e em que as vendas em volume mais recuaram no período: 4,6%. Em nove meses, a empresa reajustou seus preços na região em 20,6% e as vendas recuaram 4,7%.

O Brasil aparece como destaque na divisão de produtos para o lar no segmento de lavagem de roupa - representado por marcas como Omo - que manteve volume de vendas apesar de um aumento de preços da ordem de 20%, segundo relatório da companhia.

Na Europa, as vendas em volume caíram 3,2% enquanto os preços da empresa subiram 8,9%.

"As necessidades básicas de nossos clientes europeus estão ocupando uma participação maior das carteiras, como transporte e alimentação, e a tendência é haver cortes nos gastos em produtos supérfluos não relacionados a alimentos", disse Pitkethly.

Na China, o terceiro maior mercado da Unilever, as vendas subiram 1%.

"O número da China, 1%, foi na realidade uma performance competitiva já que o mercado segue ainda pressionado pelos lockdowns" contra Covid-19, disse o executivo. Ele acrescentou que a confiança na China está mais baixa que em termos históricos e que a Unilever não conseguiu promover aumentos de preços no país.

A Unilever espera que as vendas de 2022 subam mais que 8%.