Mercado abrirá em 9 h 4 min
  • BOVESPA

    121.113,93
    +412,93 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    62,89
    -0,24 (-0,38%)
     
  • OURO

    1.778,40
    -1,80 (-0,10%)
     
  • BTC-USD

    57.146,10
    -2.305,97 (-3,88%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.301,15
    -90,56 (-6,51%)
     
  • S&P500

    4.185,47
    +15,05 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    34.200,67
    +164,67 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.019,53
    +36,03 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    29.216,04
    +246,33 (+0,85%)
     
  • NIKKEI

    29.797,58
    +114,21 (+0,38%)
     
  • NASDAQ

    14.046,50
    +17,00 (+0,12%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6701
    -0,0160 (-0,24%)
     

Unidas em nova empresa, BR Mania e Local querem reduzir custos e aumentar competitividade

Ivan Martínez-Vargas
·2 minuto de leitura

SÃO PAULO - A BR Distribuidora e as Lojas Americanas anunciaram nesta quinta-feira a criação de uma joint venture que vai unir a operação da BR Mania, rede de lojas de conveniência franqueadas em postos BR, e da rede Local, hoje operada pela Americanas. Os nomes das duas marcas serão mantidos.

O acordo, que foi antecipado pelo colunista Lauro Jardim, ainda precisa da aprovação do Cade, órgão antitruste brasileiro. A transação foi avaliada em R$ 995 milhões.

Na nova empresa, BR e Americanas terão, cada uma, 50% de participação. A Americanas, porém, precisará pagar um valor de até R$ 305 milhões para entrar no negócio.

Esse montante será destinado à BR para garantir o direito de exploração das lojas BR Mania nos postos da antiga subsidiária da Petrobras, de acordo com Natalia Cid, gerente executiva de franquias da distribuidora de combustíveis.

O desembolso será dividido em duas partes: R$ 252,8 milhões serão repassados pela Americanas à joint venture para que a nova empresa pague a BR. O restante, que poderá chegar a R$ 53 milhões, será pago pela varejista diretamente à distribuidora.

— Esse valor também se refere ao direito de uso de lojas da BR Mania, e é variável porque será baseado em performance. Isso entrou no acordo em função do eventual impacto da pandemia nos negócios — explica Cid.

Os valores devem ser quitados em até 30 meses, com parcelas semestrais.

Um dos objetivos da nova empresa é potencializar o crescimento da rede Local, formada por 55 pequenos pontos de venda fora de postos de gasolina.

A marca iniciou suas atividades no Rio de Janeiro, onde tem maior presença, mas tem unidades também em São Paulo, Santos e Barueri.

A Local, que hoje só tem lojas próprias, passaria a ter também franquias, modelo de negócio seguido pela BR Mania.

— A BR Mania seguirá sendo um negócio de franquias, o que não quer dizer que a gente não possa ter operações próprias, mas a base é a operação será a franquia, inclusive agora para a Local — diz Natalia Cid.

Para a BR Mania, a incorporação à nova empresa traz potencial de sinergias e maximização de estoques.

— Teremos mais condições de concorrer no mercado atual do varejo. A gente junta a rede de 8.000 postos de combustível BR e as mais de 1.200 lojas de conveniência BR Mania com a expertise das Lojas Americanas, que tem uma forte capacidade de compra e suprimento em categorias importantes, como doces, biscoitos, e bebidas não alcoólicas. Isso pode trazer economias aos franqueados — ressalta ela.

Os planos da companhia incluem o crescimento das duas redes. Hoje, a BR Mania já tem presença nacional e faturamento de R$ 1 bilhão. A Local, segundo Cid, tem espaço para forte expansão de suas atividades. A executiva, contudo, não fala sobre metas concretas de crescimento.