Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.113,93
    +413,26 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,07
    -0,39 (-0,61%)
     
  • OURO

    1.777,30
    +10,50 (+0,59%)
     
  • BTC-USD

    55.476,50
    -5.431,13 (-8,92%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,97
    +7,26 (+0,52%)
     
  • S&P500

    4.185,47
    +15,05 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    34.200,67
    +164,68 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.019,53
    +36,03 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.969,71
    +176,57 (+0,61%)
     
  • NIKKEI

    29.683,37
    +40,68 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    14.024,00
    +10,00 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6943
    -0,0268 (-0,40%)
     

Unidade de gestora Sura aposta em infraestrutura na AL

Valentina Fuentes
·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- A Sura Investment Management aposta que a recuperação econômica da América Latina aumentará os ganhos de fundos de infraestrutura e crédito privado.

A unidade com foco em clientes institucionais da Sura Asset Management, de Medellín, planeja aumentar seus ativos sob gestão em 25% neste ano, para US$ 13,8 bilhões, com uma parte significativa desse crescimento vindo dos chamados investimentos alternativos, como infraestrutura, imóveis e fundos de crédito privado, segundo o diretor-presidente, Pablo Sprenger.

A Sura IM tem atualmente cerca de US$ 1,6 bilhão em investimentos alternativos e planeja elevar esse montante em US$ 1,4 bilhão em 2021.

“Os projetos de infraestrutura são um grande impulso sempre que os países precisam promover o desenvolvimento, especialmente no mundo emergente, e vamos aproveitar isso na América Latina”, disse Sprenger.

A economia da região encolheu cerca de 7% no ano passado, de acordo com o Fundo Monetário Internacional. A previsão de analistas é de que a produção não retornará aos níveis pré-pandemia até 2023. Com isso, os governos provavelmente continuarão a fornecer estímulos, como garantias para empréstimos corporativos, o que por sua vez aumenta o apelo de fundos que fornecem crédito privado, segundo Sprenger.

A unidade opera na Argentina, Chile, Colômbia, México, Peru e Uruguai, e sua controladora, a Sura Asset Management, tem quase 21 milhões de clientes, com US$ 135 bilhões em ativos sob gestão.

Este ano também traz boas oportunidades em ações da América Latina, disse Sprenger. Brasil e Colômbia despertam interesse em meio à alta dos preços das commodities, enquanto a instabilidade política no Peru deixa esse mercado menos atraente, disse Sprenger.

A gestora permanece neutra em relação ao Chile, mesmo que o país esteja à frente de outros da região na campanha de vacinação. As oportunidades que o país mais rico da América Latina pode oferecer aos investidores dependerão de quão ordenado será o processo de redação da nova Constituição, disse.

“Se o processo se desenvolver dentro da estrutura institucional, olharemos para o Chile com muito otimismo nos próximos dois anos.”

Ainda nesta semana, o Chile teve que aumentar as restrições em vários bairros da capital Santiago devido ao aumento de casos de Covid. Alguns países da região podem levar anos para alcançar a imunidade de rebanho no ritmo atual, atrasando a recuperação. Mas Sprenger espera que o sucesso da vacinação do Chile forneça um exemplo útil para outros.

“2021 é um grande ano para a região, um que não víamos há muito tempo”, disse Sprenger.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.